Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

04/04/2009 - O Globo Online Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Bando que deu golpe do emprego em SP apanha de vítimas na delegacia

Por: Willian Novaes


SÃO PAULO - As vítimas do golpe do emprego em São Paulo lotaram ontem o 3º Distrito Policial (Santa Ifigênia), após tomarem conhecimento da fraude que levou 19 estelionatários para a cadeia, e deu prejuízo a mais de 500 trabalhadores. Mais de 70 pessoas prestaram depoimento, e contaram que foram obrigados a vender um cartão de fidelidade para conseguir uma vaga que não existia, em uma empresa de fachada. Os salários oferecidos eram de R$ 600 a R$ 1.900. Pela manhã, houve tumulto quando os indiciados passaram por um corredor da delegacia. Um grupo partiu para cima dos acusados. Outros gritaram e xingaram os integrantes da quadrilha.

Um dos donos da empresa, Alexandre Luís de Souza, de 30 anos, foi atingido por uma pasta atirada por uma das vítimas. Outra suspeita levou tapas. Os policiais do plantão contiveram a confusão e levaram os indiciados de volta para as celas.

- Quero Justiça! O que vai acontecer com esses bandidos? - questionava a atendente Ermelina da Silva Lima, de 28 anos.

A coletora de dados Daniela Barbosa, de 20 anos, estava inconformada com o prejuízo de R$ 1.600. Para vender o cartão da empresa, ela pediu ajuda à família. Sua mãe fez um empréstimo no banco, no valor de R$ 810. E o namorado também pagou R$ 810 pelo produto.

- Estamos com as contas atrasadas, por causa desse problema.

No total, 19 pessoas foram presas. Doze delas na quarta-feira, no prédio da Meta Negócios Ltda, na Rua Xavier de Toledo, número 316. E outras sete, no final da tarde de quinta-feira, na empresa Halpha Intermediação de Negócios Ltda, na Rua Capitão Salomão, 27, também na região central. Todos os acusados vão responder pelos crimes de formação de quadrilha e estelionato.

- Essas empresas utilizam o mesmo método para enganar as pessoas. Eles aliciavam as vítimas para a venda do cartão de fidelidade. O emprego era só uma promessa - disse a delegada Elizabeth Galvão.

Segundo a polícia, de 2002 a 2007, golpistas usaram pelo menos outras cinco empresas de fachada - Odontomeg, Emprol, Plame Odonto, Pro Service e Pronto Service - para enganar as vítimas.

- Todas as empresas utilizavam o mesmo cartão de fidelidade - conta Elizabeth.

Para o advogado Jeferson Badan, que defende todos os indiciados, a prisão foi ilegal.

- As pessoas são contratadas como representantes comercial. Mas existem falhas no treinamento das empresas - admitiu.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 844 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal