Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

31/03/2009 - Midiamax Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Denúncia de fraude coloca em xeque lisura da eleiçăo no sindicato do transporte coletivo

Por: Jacqueline Lopes


Sete anos após denúncia de fraude eleitoral no sindicato trabalhista de um dos principais setores de serviços da Capital, o do transporte coletivo, outra situaçăo coloca em xeque a lisura do processo ocorrido na última sexta-feira (27) de março.

Das cinco urnas – uma para cada empresa de ônibus – as duas últimas apuradas teriam apresentado problemas. Nas viaçőes Săo Francisco e Cidade Morena, a Chapa 2 e Chapa 3 năo tiveram sequer a votaçăo dos seus componentes funcionários das respectivas empresas, segundo denunciou ao Midiamax o motorista de ônibus, candidato da Chapa 2, Aquenaton Medeiros. “O maior interessado em reeleger a atual diretoria săo as empresas de ônibus porque sabem que com ela eles conseguiram tirar os cobradores e ainda continuar a pagar salário baixo”, diz ele.

A Chapa 1 foi a vitoriosa com 350 votos e em segundo lugar ficou a 2 com 319 votos e a 3 teve 29 votos. O presidente reeleito Demétrio Ferreira de Freitas é acusado por Aquenaton de ter fraudado a eleiçăo através da manipulaçăo dos votos das duas últimas urnas. A reportagem já fez contato telefônico com o candidato reeleito e aguarda retorno.

Quebra-cabeça

Já o candidato da Chapa 2, Aquenaton Medeiros deve acionar a Justiça e pedir a anulaçăo do pleito que segundo ele, prejudicou também a Chapa 3 do motorista da Viaçăo Cidade Morena, Valdemar Alves.

“A chapa 3 tem 18 integrantes que trabalham na Viaçăo Săo Francisco e lá tiveram só 3 votos, ou seja, nem eles votaram neles mesmos. A chapa 1 teve 167 votantes e nós 13 votos. Teve fraude”.

Outro exemplo, segundo ele, foi o resultado da Viaçăo Cidade Morena. Lá, 130 funcionários votaram. A chapa 1 teve 123 votos, a 2 obteve 2 votos e a 3 ficou com 2 votos. “Nós da Chapa 2 temos 6 integrantes dessa viaçăo e o pessoal da Chapa 3 mais de 15 integrantes”, detalha.

A assessoria jurídica da chapa que ficou em segundo lugar prefere năo se pronunciar por ora sobre o assunto.

Já o presidente reeleito cuja posse para mandato de tręs anos está marcada para junho, Demétrio Freitas participa nesta tarde de reuniăo na Viaçăo Săo Francisco e deverá falar com a reportagem logo mais.

Na Viaçăo Serrana, 173 pessoas votaram sendo que 152 na Chapa 2, 18 na 1 e 3 na Chapa 3. Na Campo Grande, foram 108 votantes sendo 69 na Chapa 2, 28 na de número 1 e 11 na Chapa 3. A Viaçăo Jaguar levou para as urnas 103 trabalhadores. A Chapa 2 teve 83 votos, a de número 1 obteve 14 e a 3 ficou com 6 votos.

A Viaçăo Săo Francisco teve o total de 187 votos sendo 167 na Chapa 1, a Chapa 2 na 13 e a Chapa 3 com 7 votos. Na Cidade Morena 130 votaram. A Chapa 1 ficou com 123 votos, a Chapa 2 teve 2 e a 3 com 2 votos.

Suspeitas

Em 2002, foi preciso a Justiça intervir no processo eleitoral. Cinco urnas tinham desaparecido. O MP (Ministério Público) denunciou que foram trazidos de Săo Paulo (SP) seguranças (capangas) e por isso houve agressőes no dia da votaçăo.

Em 2006, cinco chapas participaram das eleiçőes. Na época havia pelo menos 267 filiados a mais que na eleiçăo deste ano. Eram 1.441 associados eram aptos a votar, mas 1.217 participaram da escolha. Na época, o procurador do Trabalho Heiler Ivens de Souza Natali foi nomeado árbitro do pleito devido ŕs irregularidades da última eleiçăo (23 de março) quando o juiz Rodnei Doreto Rodrigues, da 1Ş Vara do Trabalho, afastou por 90 dias a diretoria do sindicato presidido por Carlos Lima alvo de suspeitas na época.

Em 2002, a eleiçăo foi colocada sob suspeita por conta do desaparecimento de cinco urnas. Sindicalistas foram denunciados: Francisco Rodrigues da Silva, o Chicăo, Carlos Lima, Cícero Oliveira e Livaldo Antônio de Oliveira. Conforme os autos, José Carlos de Sena e Otávio de Mello, ambos sindicalistas paulistas também eram envolvidos.

Chicăo era ex-presidente e Carlos Lima o atual líder da entidade naquela época. Sena foi acusado em 2004 de mortes de adversários no Sindicato dos Motoristas de SP e fraudes na entidade. O caso chegou a ganhar repercussăo nacional.

Todos foram denunciados pelos crimes de formaçăo de quadrilha, falsidade ideológica e supressăo de documentos. Chicăo, Carlos Lima, Cícero Oliveira e Livaldo Antônio de Oliveira teriam convocado assembléia para discutir um tema e ao final mudaram o estatuto do sindicato para dificultar a participaçăo de adversários na eleiçăo. Por força de decisăo judicial, duas chapas conseguiram concorrer.

A denúncia apontava também que a decisăo foi entregar a conduçăo da eleiçăo aos sindicalistas paulistas. Cícero Oliveira furtou uma urna. Oliveira foi flagrado ao tentar furtar outra.
Somente em 2004 quando a Polícia Civil já investigava o caso e conseguiu mandado de busca e apreensăo foi descoberta a urna que estava escondida em Săo Paulo. Feita perícia foi constatada irregularidade em assinaturas e diferença de dois votos entre o que constava na ata da eleiçăo e o que tinha na urna. Os sindicalistas se defendem na Justiça.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 272 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal