Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

26/03/2009 - G1 Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Tarso nega que PF tenha dado conotação política à Operação Castelo de Areia

Por: Diego Abreu

‘PF não faz acusações, mas investigação que pode virar denúncia’. Ministro sugere que a polícia mudou a forma de agir.

O ministro da Justiça, Tarso Genro, afirmou nesta quinta-feira (26) que a Polícia Federal (PF) conduziu a Operação Castelo de Areia sem qualquer motivação política. Segundo ele, o papel da PF não é o de fazer acusações, mas investigações que depois podem resultar em denúncia apresentada pelo Ministério Público ao Poder Judiciário.

A afirmação foi feita após ele ser questionado sobre a Operação Castelo de Areia, deflagrada nesta quarta (25), em São Paulo e no Rio de Janeiro, com o objetivo de combater crimes financeiros. A operação resultou na prisão de quatro diretores e duas secretárias da construtora Camargo Corrêa.

Segundo a PF, foram expedidos dez mandados de prisão e 16 de busca e apreensão. Entre os crimes informados pela PF estão o de evasão de divisas, lavagem de dinheiro e fraude em licitações.

“Se tem conotação política ou não quem vai dizer é a Justiça eleitoral. Não se faz vínculo com ideologia, programa de partido ou liderança política, a PF investiga fatos delituosos”, afirmou o ministro.

“Às vezes, fatos delituosos determinam outro inquérito e aí transcende a questão de lavagem de dinheiro ou mobilização ilegal de dinheiro para financiamento de campanha. Portanto, quem está respondendo a alguma coisa neste momento, está respondendo de maneira precipitada”, completou Tarso, se referindo as declarações de membros de partidos de oposição ao governo Luiz Inácio Lula da Silva, que criticaram a investigação da PF.

Em relação ao suposto envolvimento de partidos políticos com as irregularidades detectadas pela operação, o ministro destacou que a PF não fez qualquer acusação. “Não há nenhuma acusação da PF em relação a isso. O que há são dados que constam do inquérito que serão analisados pelo Ministério Público da Justiça eleitoral, como continuidade do trabalho que foi feito até agora, de mobilização ilegal de recursos”.

Mudança

Tarso Genro suferiu que a Polícia Federal alterou sua forma de agir após a constatação de equívocos cometidos durante a Operação Satiagraha, deflagrada em julho do ano passado, quando os investigados teriam sido muito expostos.

“Na forma como foi feita essa operação está rigorosamente dentro dos padrões que determinamos, sem humilhação, permitindo que as pessoas escondam seu rosto para que não haja um adiantamento de pena que é a exposição pública. É um inquérito rigoroso, legal, profundo e tecnicamente perfeito que terá conseqüências”, garantiu.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 150 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal