Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

25/03/2009 - G1 Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Professor de matemática é suspeito de aplicar golpes de R$ 200 mil

Por: Daniella Clark

Da Zona Sul e com mestrado no currículo, ele teria compulsão por gastar. Segundo a polícia, recibos de clínicas e médicos seriam fraudados.

Morador da Zona Sul do Rio, o professor de matemática Alessandro da Silva, de 28 anos, com mestrado em informática pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), foi preso em flagrante na última terça-feira (24) suspeito de receber até R$ 200 mil com golpes em seguradoras de planos de saúde no Brasil e no exterior.

Mais do que os valores, o que surpreendeu o delegado Antenor Martins, titular da 13ª DP (Ipanema), foi a inteligência de Alessandro para elaborar a fraude e sua compulsão por gastar o que recebia em joias, relógios e artigos de grife.

“Ele é um rapaz muito inteligente. Descobriu uma falha nos pagamentos de reembolsos, principalmente dos planos ‘tops’, em que a pessoa pode ir a qualquer médico, mesmo que não seja credenciado, e receber o reembolso. Ele passou então a falsificar recibos de clínicas e de médicos. Era tudo muito bem elaborado”, explicou Martins.

Segundo o delegado, os planos do professor teriam começado a dar errado quando ele cresceu o olho: em uma das seguradoras nacionais, o prejuízo foi de R$ 110 mil. De acordo com Martins, o suspeito seria o “cérebro” da operação e contava com a ajuda de uma cúmplice, de 50 anos. Por sua participação, ela receberia 30% dos valores. Eles agiriam há cerca de três meses, lesando inclusive uma empresa sediada no exterior, que teria pago em dólares pelo reembolso.

Tragédia familiar

O aumento no número de pedidos de reembolsos, no entanto, teria despertado a desconfiança de uma das seguradoras, que acionou a polícia. Uma equipe passou a monitorar os passos da dupla: eles acabaram presos em flagrante na terça (24) ao tentar receber mais um reembolso, no valor de R$ 26 mil, num shopping em Copacabana, na Zona Sul do Rio.

Para o delegado, a história pode ser vista ainda como uma tragédia familiar: com um currículo invejável, o jovem era o orgulho da família. Filho de um comerciante e de uma dona de casa, ele se formou em matemática pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e tem mestrado em informática pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), segundo informa o currículo Lattes.

De acordo com a polícia, Alessandro tinha um salário de cerca de R$ 5 mil, fruto de seus trabalhos como funcionário público: ele é professor universitário e de ensino médio do Centro Federal de Educação Tecnológica (Cefet), do Colégio Militar e da Secretaria estadual de Educação. Solteiro, o professor mora no Humaitá, na Zona Sul do Rio, com os pais e um irmão.

“Nunca foi bandido. Ele disse que tem compulsão por gastar. É um garoto tímido, introspectivo”, disse o delegado. “A mãe disse que está chocada. Que ele é um filho que nunca tinha dado problema”.

Nas casas do professor e sua cúmplice foram apreendidos cerca de 70 relógios de grifes, várias roupas de marca, além de joias, um laptop e celulares.

Advogados tentam liberdade provisória

A polícia continuará com as investigações para apurar se outras empresas foram lesadas. De acordo com o delegado, o rombo causado pode ser maior do que os R$ 200 mil já confirmados. Até a tarde desta quarta-feira (25), o professor e sua cúmplice continuavam presos na 13ª DP (Ipanema). Ele vai ser transferido ainda nesta quarta para o presídio Bangu 8, na Zona Oeste do Rio, para onde são levados os presos com curso superior. Já a mulher irá para uma carceragem feminina.

Segundo um dos advogados de Alessandro, Vitória Sulocki, ele admitiu ter cometido a fraude em ao menos uma das seguradoras apontadas pela polícia. De acordo com a advogada, a prioridade da defesa agora é conseguir um habeas corpus para que o professor responda ao processo em liberdade.

"Como se trata de um crime de estelionato, sem violência, estamos tentando um habeas corpus. Embora tenha dano material, se for comprovado, nossa prioridade é que ele responda ao processo em liberdade. Prisão é reservada para quem traz perigo à sociedade, o que não é o caso dele", explica a advogada, ressaltando ainda que Alessandro tem bons antecedentes e domicílio fixo.

De acordo com o delegado, ele e sua cúmplice foram autuados por estelionato, com pena que pode chegar a cinco anos de reclusão.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 356 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal