Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

10/03/2009 - Zero Hora Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Cinco Brasis em paraísos fiscais no globo

Reunião do G20 pode lançar a reforma do sistema financeiro.

Chamados de buracos negros no sistema econômico mundial, os paraísos fiscais estão na mira. O aprofundamento da crise financeira eleva a pressão sobre países e dependências que adotam o sigilo bancário.

O dinheiro que estaria depositado em contas de correntistas e companhias de todo o mundo nos paraísos fiscais não é pouco. Estima-se que chega a US$ 7 trilhões, o que representa em torno de cinco vezes o Produto Interno Bruto brasileiro ou um oitavo da economia mundial.

Em reunião na Suíça dos principais bancos centrais do mundo, o presidente do Banco Central (BC), Henrique Meirelles, disse ontem que vai aconselhar o presidente Luiz Inácio Lula da Silva a apoiar a proposta da Alemanha e da França de dar um basta às atividades desses locais. Os dois países europeus defendem o fim dos paraísos fiscais, alegando que essas regiões permitem fraudes e contribuem para a falta de transparência. Além disso, temem que o dinheiro dado por governos para salvar empresas acabe em contas secretas nesses paraísos.

O Brasil, que busca recuperar recursos de fraudes e evasão na Suíça, nas Ilhas Cayman, nas Ilhas Jersey, em Mônaco e outros, vê a ideia com bons olhos. A proposta poderá ser submetida à cúpula do G20, grupo das 20 maiores economias do globo, que está marcada para início de abril, em Londres, na Inglaterra. No encontro, espera-se lançar uma reforma do sistema financeiro. Meirelles e o ministro da Fazenda, Guido Mantega, se reúnem com Lula nesta semana para fechar as propostas e na sexta-feira partem para a capital inglesa para um primeiro encontro em nível ministerial.

O Brasil também deverá levar ao G20 uma proposta para estabelecer uma nova fiscalização de operações financeiras internacionais, além de reforçar e reformar o Fundo Monetário Internacional (FMI) e fazer um apelo contra o protecionismo. O objetivo imediato é tentar determinar como instituições multilaterais poderão resgatar economias em desenvolvimento e evitar um calote generalizado.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 175 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal