Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

24/10/2006 - G1 Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Casa de câmbio de SP tem ex-sócios denunciados por crime financeiro

Por: Daniel Santini


A Diskline, casa de câmbio de São Paulo na qual teriam sido sacados cerca de US$ 110 mil para negociação do dossiê contra políticos do PSDB, já teve dois sócios denunciados pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR) por lavagem de dinheiro.

Até março de 2005, os responsáveis pela empresa eram Cristiana Marini Rodrigues da Cunha Brito e Venâncio Pereira Velloso Filho. Os dois foram substituídos por Clóvis Alves da Costa e Ruth Camacho Belo da Costa, atuais proprietários da Diskline, segundo registro da Junta Comercial de São Paulo.

Cristiana Brito e Venâncio Velloso Filho foram denunciados por lavagem de dinheiro e crimes contra o Sistema Financeiro Nacional em dezembro de 2005, acusados de operarem no Brasil sob a fachada de empresas de câmbio e turismo.


Na segunda (23) e nesta terça (24), o G1 tentou contato telefônico por 16 vezes com Clóvis Costa, atual responsável pela Diskline, mas o doleiro não quis dar entrevistas.

Congelados
Eles estão entre os 52 denunciados após a Operação Zero Absoluto, uma ação coordenada entre o MP-PR, a Polícia Federal, técnicos do sistema financeiro e órgãos internacionais. Os dois e mais quatro pessoas estariam envolvidos em operações ilegais das empresas Milano, Florida e Pelican.

O MP pediu o bloqueio de US$ 554.313,85 (da Florida), US$ 685.925,45 (da Milano) e US$ 87.503,53 (da Pelican). As ligações atuais da dupla com a Diskline estão sendo investigadas pelo Ministério Público de São Paulo. O caso, sob sigilo de Justiça, está com a procuradora Anamara Osório Silva de Sordi.

Dossiê
Os US$ 110 mil que teriam sido sacados na Diskline são parte dos US$ 248,8 mil apreendidos em 15 de setembro em um hotel de São Paulo. Os dólares estavam junto com R$ 1,1 milhão, dinheiro em poder de Valdebran Padilha e Gedimar Passos, emissários de uma negociação com o PT.

O total, cerca de R$ 1,7 milhão, seria utilizado para a compra de um dossiê que ligaria o então candidato do PSDB ao estado José Serra à Máfia dos Sanguessugas.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 1204 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal