Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

04/03/2009 - administradores.com.br Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Fraudes contábeis: ausência de controle ou de índole?

Por: Marcos Assi


É interessante que quando é noticiado algo sobre fraude contábil ou financeira de empresas ou de fundos de investimentos, a maioria dos empresários se pergunta se possuem solidez e confiabilidade.

Muito se publicou, por exemplo, sobre a indiana Satyam Computer Service ou o Fundo Americano Madoff. Isso porque não vamos ficar aqui relembrando de Barings, Parmalat, entre outras empresas que nos fornecem subsídios através de exemplos práticos de como não gerir uma empresa.

As melhores práticas de controles contábeis e/ou internos existem, mas muitos ainda não aceitaram as mudanças e são reticentes às mesmas. Mas como podemos mudar a cultura dos administradores e/ou gestores e fazer com que eles dêem apoio à implementação dos controles?

A cultura organizacional e o apoio da alta administração – e incluímos também o conselho da administração – deveriam ser os primeiros a cobrar a eficiência do controle. Mas não é o que vemos. Muito acham que controle é um empecilho burocrático, mas bem mapeado e devidamente “monitorado”, as possibilidade de fraude ou erro diminui, e muito.

Existem inúmeras ferramentas de controle, que na realidade são conjuntos de sistemas informatizados, processos, políticas e pessoas. Mas sabemos que as fraudes ocorrem, na maioria dos casos, por conluio de várias pessoas e, infelizmente, até mesmo com a participação de membros da alta administração – aqueles que têm o poder de autorização e aprovação. Entretanto, não estão acima das regras e da Lei. Por isso, existe a palavra “índole” - na falta dela, as fraudes ocorrem com maior freqüência.

Pesquisas sobre fraude no Brasil costumam demonstrar que os itens de maior preocupação das pessoas é a insuficiência do sistema de controles internos seguido por controles internos burlados, particularidades do ramo de atuação, além da falta de condução responsável da empresa.

Saber ou reconhecer que tais fragilidades existem não proporciona melhores controles, haja vista que existe ineficiência dos órgãos reguladores, através de procedimentos de monitoração, supervisão e auditorias, que deveriam ser mais bem gerenciados, e até mesmo por não haver ou pela demora de punição das organizações. Isso também deveria ser válido para as empresas de auditorias que deveriam ser menos coniventes com o famoso “jeitinho” nas políticas de processos internos, que muitas vezes estão bem escritas, mas a maioria não conhece o mínimo da informação publicada, e, neste caso, a falta de comunicação e apoio da alta administração é o que proporciona a falha.

Portanto, necessitamos mudar e a ação deve ser conjunta entre órgãos reguladores, as empresas de auditoria, as próprias organizações e os profissionais responsáveis para a aplicação da melhores práticas dos controles internos e contábeis.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 187 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal