Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

18/10/2006 - Diário de Notícias Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

JF julga ação por uso de documento falso em banco


A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) fixou nesta terça-feira a competência da Justiça Federal para processar e julgar ação penal contra acusado de ter usado documento falso perante instituição bancária privada.

A decisão unânime dos ministros foi tomada no julgamento do mérito do Habeas Corpus (HC) 85773, impetrado por Espedito Pereira das Neves.

A defesa sustenta que seu cliente sofre constrangimento ilegal consistente na violação à coisa julgada, uma vez que o Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3) havia entendido ser a causa de competência da Justiça Federal. Mas, posteriormente, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) instituiu a competência da Justiça Estadual para a causa. O advogado dele argumenta ainda que, por se tratar de falsa certidão negativa de débito expedida em desfavor do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), a competência é da Justiça Federal, mesmo que tal documento tenha sido utilizado para obtenção de refinanciamento junto à instituição bancária particular.

Em seu voto apresentado hoje, o ministro Joaquim Barbosa, relator do HC, afirmou que o próprio caso demonstra como é “controvertida” a questão da competência da matéria nos tribunais e na doutrina jurídica.

“Isso porque estamos diante de duas situações diferentes, mas que se completam: uma é a falsificação de documento público e outra, o uso desse documento público”, conta. O relator diz que a controvérsia reside no fato de saber se o uso desse documento falsificado perante particulares ofende interesse público suficiente a justificar a competência da Justiça Federal.

Mesmo que o entendimento do STF tenha considerado o sujeito passivo que sofre esses delitos, o que no caso fixaria a competência da Justiça Estadual, a jurisprudência não observou, em casos anteriores, a questão da materialidade do documento.

“No presente writ (habeas corpus), não resta dúvida a respeito da falsificação das certidões negativas de débitos expedidas pelo INSS. Assim, ainda que os documentos falsos tenham sido utilizados perante particular, no caso um banco privado, eu entendo que a falsificação, por si só, configura infração penal praticada contra interesse de órgão federal, no caso o INSS, a justificar a competência da Justiça Federal”, afirma, em seu voto, ao deferir o habeas. Os demais ministros da 2ª Turma acompanharam, integralmente, o voto do relator

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 441 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal