Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

16/10/2006 - Maracaju News / MS Notícias Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Crime organizado está "tomando conta do mundo" diz Odilon


O juiz Odilon de Oliveira, da 3ª vara da Justiça Federal, disse esta manhã, em entrevista na TV Morena, que o crime organizado, especialmente o tráfico de drogas, tem evoluído com a ciência. "O tráfico cresceu bastante em Mato Grosso do Sul e no Brasil. A polícia vem atuando, mas o tráfico de drogas e o crime organizado estão tomando conta do mundo", disse ele.

Sobre a cooptação de policiais federais para o crime organizado, Odilon destacou o alto preparo e a seriedade da Polícia Federal, mas admitiu que há sempre os que aderem. "O envolvimento para mim não é novidade. Crime organizado está infiltrado em todos os setores", argumentou ele, após ver a reportagem sobre a descoberta de uma lista de policiais federais nas mãos de criminosos, inclusive com perfil psicológico e situação financeira (dívida) de pelo menos um deles.

Prorrogação de prisão

Odilon decidiu prorrogar a prisão de 26 acusados de integrar a máfia do cigarro. Eles são acusados de pertencer a um esquema de contrabando, descaminho, corrupção e lavagem de dinheiro que dominava, de acordo com a Polícia Federal, a maior parte do mercado negro dos cigarros no Brasil.

O esquema caiu na terça-feira com a deflagração da operação Bola de Fogo, pela Polícia Federal, que resultou em 97 prisões em 11 Estados brasileiros. Os 26 presos em MS deveriam ser soltos hoje, quando expirou o mandado de prisão cumprido na terça-feira, mas Odilon de Oliveira decidiu acatar o pedido feito pelo delegado da PF Alexandre Custódio, que comandou a operação, para renovar a prisão temporária por mais cinco dias. Na terça-feira, Odilon também fez o bloqueio de R$ 420 milhões em 300 contas bancárias de 70 empresas e pessoas acusadas de integrar o esquema de fraude que, segundo a Receita Federal, pode ter movimentado R$ 800 milhões nos últimos cinco anos.

Em Campo Grande, estão presos o empresário Hiran Garcete, acusado de financiar um dos maiores distribuidores de cigarro contrabandeado no País, e diversos membros de sua família, como a mãe, Alzira, e as irmãs Gisele e Daniella, o sogro Nelson Kanomata e o cunhado Nelson Kanomata Júnior ¿ estes dois últimos acusados de comandarem a logística da entrada de cigarros paraguaios no Brasil.

Dos 26 presos em Campo Grande, apenas dois não estão na superintendência da PF. O advogado Félix Nunes da Cunha, acusado de ter movimentado em suas contas pessoas R$ 2 milhões da máfia nos últimos cinco meses, está no presídio militar da capital de MS; e Gisele Garcete que, grávida de 5 meses, foi transferida para um hospital onde está internada sob escolta de agentes federais.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 1215 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal