Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

08/01/2009 - Correio da Manhã Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Estado foi enganado em 15 milhões de euros

Por: Paula Gonçalves

Coimbra: Processo do álcool volta a ser julgado passados seis anos

Milhares de litros de álcool puro foram introduzidos no mercado português sem pagar o imposto especial sobre o consumo, lesando o Estado em cerca de 15 milhões de euros. O processo foi julgado há seis anos, mas voltou ontem ao Tribunal de Coimbra, que está a repetir o julgamento na sequência da anulação das escutas telefónicas que sustentaram a condenação de alguns dos empresários envolvidos.

O acórdão da primeira instância aplicou a alguns penas de prisão (a mais elevada foi de oito anos), mas foi alvo de diferentes recursos por parte dos arguidos, que conseguiram anular as condenações. Alguns dos crimes prescreveram entretanto, entre os quais o contrabando de álcool e a contrafacção de selos, estando agora os arguidos a ser julgados apenas por associação criminosa e falsificação de documentos.

No banco dos réus estão quatro empresários e as respectivas empresas, sobretudo da área de Lisboa. O processo envolve um entreposto fiscal de Coimbra, ao qual é atribuída pela investigação da PJ de Coimbra a responsabilidade de introduzir no mercado álcool oriundo de Espanha sem pagar o imposto, fazendo crer às autoridades que tudo estava regularizado. Os arguidos são ainda acusados de usar o nome de firmas portuguesas para fazer encomendas, falsificando documentos. O álcool seria depois vendido em alguns casos a preços inferiores ao imposto.

Ontem só um dos arguidos prestou declarações, negando os crimes que lhe são imputados. "A minha inclusão no processo é forçada", afirmou.

PORMENORES

FALSO CIDADÃO

João Peralta Machado tinha BI e surgia em documentos enviados às autoridades espanholas como intermediário. Mas nunca existiu, confirmou a PJ.

CARTAS FALSAS

O processo refere cartas falsificadas como se tivessem sido enviadas pela Alfândega portuguesa às autoridades espanholas a informar que tudo estava regularizado.

CARIMBOS

Entre as apreensões feitas pela PJ está um carimbo falso que "estava dissimulado" dentro de uma caixa de electricidade no escritório de uma empresa.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 276 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal