Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

26/12/2008 - G1 Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Mônaco pede mais documentos para estender extradição de Cacciola

Enquanto extensão não é concedida, demais processos ficam parados.Ex-banqueiro segue detido no presídio de Bangu 8, no Rio de Janeiro.

A Justiça do Principado de Mônaco pediu novos documentos ao Brasil para conceder a extensão do acordo de extradição do ex-banqueiro Salvatore Cacciola em um dos processos enfrentados por ele, onde responde por crime contra o sistema financeiro.

Enquanto Mônaco não concede essa extensão, ficam temporariamente suspensos vários outros processos contra Cacciola relacionados a crimes fiscais, segundo o Secretário Nacional de Justiça, Romeu Tuma Júnior. O ex-banqueiro foi extraditado para o Brasil com base em um processo por gestão fraudulenta.

A defesa de Cacciola argumenta junto às autoridades do principado que, nesse processo específico, o ex-banqueiro teria que responder por ilícito fiscal, e não por crime tributário. Essa tipificação não seria passível de extradição segundo as normas de Mônaco.

De acordo com Tuma Júnior, a Justiça brasileira pretende apresentar todos os documentos solicitados pelo principado. "Vamos demonstrar que não se trata apenas de ilícitos fiscais, conforme quer fazer crer a defesa", disse o secretário.

Ele ressalta que a paralisação temporária dos demais processos contra Cacciola não significa que eles estejam extintos: "trata-se apenas da praxe adotada no sistema jurídico internacional", afirma. De acordo com Tuma, não há um prazo definido para que a Justiça de Mônaco responda sobre a extensão da extradição.

Prisão

Enquanto não se obtém uma decisão, o ex-banqueiro segue detido presídio de Bangu 8, na zona oeste do Rio. Extraditado de Mônaco em julho, Cacciola está preso no Rio desde o dia 17 de julho, por força de um decreto de prisão preventiva.

O ex-banqueiro foi condenado em 2005 a 13 anos de cadeia por peculato, gestão fraudulenta e corrupção passiva. Antes da sentença, ele deixou o Brasil em 2000, indo para a Itália, país onde nasceu e residia antes de sua prisão.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 173 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal