Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

10/10/2006 - Jornal da Mídia Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

'Time sharing' pode ser uma furada, alerta a PRO TESTE


Time sharing (ou "tempo compartilhado ") é uma forma de vender pacotes turísticos para o mundo inteiro, que já é comum em países europeus e cresce no Brasil. Nesse sistema, o consumidor adquire períodos determinados de tempo para desfrutar em hotéis, pousadas, condomínios e resorts, além de eventuais benefícios, como descontos em restaurantes.

Iludidos pela possibilidade de ter, pelo resto da vida, direito a gozar de uma semana de férias na praia dos seus sonhos, há quem compre um título sobre o qual pouco sabe, assina um contrato de adesão que pode conter cláusulas abusivas e depois descobre que a realidade é outra.

Para alertar o consumidor a não cair em golpes a PRO TESTE fez um estudo apontando os cuidados para evitar dor de cabeça futura. Para avaliar se o time sharing é interessante, deve-se comparar o custo desse sistema com a compra de um imóvel para veraneio ou com a estadia tradicional em hotéis.

Às vezes, mesmo para uso de apenas uma semana por ano, o valor de aquisição do título de time sharing pode chegar ao de um imóvel, dependendo da localização e do tamanho. Comparar com estadias em hotéis é mais objetivo e a PRO TESTE fez isso. A conclusão foi que o retorno só é obtido após muitos anos.

Um golpe comum é a venda de títulos com promessa de lucro na revenda. No caso, um comerciante oferece títulos de time sharing como se fosse um grande negócio para ganhar dinheiro fácil e rápido. Esses "profissionais" afirmam que os títulos sofrem alta valorização no mercado imobiliário e, posteriormente, é possível revendê-los, inclusive para a própria empresa que o vendeu, lucrando milhões.

Só que a empresa não recompra os títulos, muito menos por valores mais altos. Eles nem informam que se deve pagar uma taxa de manutenção anual e uma taxa de intercâmbio se desejar utilizar os serviços de hotéis fora da rede ou no exterior. Ou seja: o consumidor não consegue obter o lucro prometido e ainda assume um custo que não tinha previsto.

Outro golpe comum é a comercialização de temporadas em um empreendimento que não existe. Os estelionatários se apresentam como investidores do mercado imobiliário e organizam um evento de vendas num hotel luxuoso. Na maioria das vezes, mostram um resort com parque aquático, restaurante, vasta área de lazer e outras maravilhas. Oferecem os títulos por valores variados e garantem a entrega do imóvel. O problema é que o empreendimento nunca sai do papel, isto é, o título não vale nada.

A forma de abordagem no momento das vendas também pode ser um problema. Se não é em eventos chiques num hotel luxuoso, os vendedores aproveitam para abordar turistas que estejam de férias, em momentos de descontração. Envolvem os turistas num clima de euforia, oferecendo cortesias e brindes.

Para um turista que está vulnerável, encantado com suas férias, o momento não é adequado para pensar em negócios, ler contratos ou calcular se o custo cabe no orçamento. Como o time sharing possui problemas em sua administração e, até mesmo, em sua regulamentação ou fiscalização no país, a PRO TESTE apontou os principais problemas, cuidados e soluções. O tema é capa da revista Dinheiro & Direitos de outubro e novembro, publicação distribuída exclusivamente aos 150 mil associados da entidade.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 571 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal