Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

16/12/2008 - ComuniWeb / Agência Brasil Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Crime organizado atua no comércio de derivados de petróleo para lavar dinheiro, diz Sindicom

Por: Nielmar de Oliveira


O crime organizado está se infiltrando no setor de venda de derivados de petróleo no Brasil para poder lavar dinheiro obtido de forma irregular.
A denúncia é do vice-presidente executivo do Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e de Lubrificantes (Sindicom), Alisio Vaz. Ele estimou em cerca de R$ 1 bilhão as perdas do país com o recolhimento de impostos em decorrência das fraudes.

Na avaliação de Aloisio Vaz, pelo menos ¼ do álcool comercializado no país apresenta algum problema de sonegação de imposto o que prejudica os empresários que atuam dentro da Lei. "Até mesmo o crime organizado está começando a atuar no setor para lavagem de dinheiro. É uma espécie de upgrade - modernização da bandidagem - principalmente em São Paulo", disse.

O vice-presidente executivo do Sindicom informou também que a entidade, órgãos do governo e a Agência Nacional do Petróleo (ANP) vêm executando ações de combate a esse tipo de fraude com resultados positvios. Alisio Vaz citou a adoção da obrigatoriedade da Nota Fiscal Eletrônica (NFe), que potencializa o controle na movimentação dos combustíveis e inibe as fraudes.

As declarações do vice-presidente Executivo do Sindicom foram dadas hoje (16), durante entrevista à imprensa, ao apresentar o o balanço das atividades do setor este ano. Os dados apresentado indicam que as vendas de derivados das empresas ligadas ao Sindicom atingirão em 2008 o recorde de 76,3 bilhões de litros, com crescimento de 7,1% sobre o volume comercializado em 2007.

Segundo Alisio Vaz, a venda de álcool combustível deverá atingir os 7,1 bilhões de litros este ano, só das empresas associadas ao Sindicom, que respondem por 49,5% do mercado total do país.

Somados ao volume comercializado pelo mercado como um todo, a venda de álcool deverá totalizar 13,1 bilhão de litros, superando, inclusive, o recorde de 1990, antes do declínio do pró-álcool, quando o volume comercializado chegou a 11,1 bilhões de litros vendidos.

De acordo com o sindicato, as vendas totais do mercado somarão 96,1 bilhões de litros, crescimento de 8,8% sobre o resultado de 2007.

"O advento do carro flex [que hoje já responde por 90% das vendas no país] levou a um crescimento tão pungente do mercado de etanol que arrastou também o mercado clandestino", disse Aloisio Vaz.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 232 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal