Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

05/12/2008 - O Barriga Verde Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Banco e revendedora são condenados por fraude em cadastro para financiamento de veículo


O Banco Finasa e a revendedora de veículos LCD Luzicar foram condenados a pagar R$ 10 mil a uma cliente que teve seus dados cadastrais clonados e utilizados num contrato de financiamento. A decisão é da 4ª Turma Cível do TJDFT, que reconheceu a ocorrência de dano moral e dobrou o valor da indenização fixada em primeira instância.

A servidora pública foi até a concessionária com a intenção de comprar um carro, entregou todos os documentos para aprovação do financiamento, mas, no dia seguinte, foi informada de que seu cadastro não havia sido aprovado. A surpresa e os constrangimentos começaram quando a cliente recebeu em casa um carnê de cobrança relativo ao financiamento do carro que, na verdade, não ocorreu. Ela chegou ainda a receber visitas de uma funcionária da Finasa para tentar pressionar os pagamentos.

O Banco e revendedora foram procurados para que a questão fosse resolvida administrativamente. Mas nenhum deles assumiu o erro e o caso foi parar na polícia. Investigações da Delegacia de Falsificações e Defraudações concluíram que a assinatura da cliente foi falsificada pelo vendedor da loja.

Com a história já no Judiciário, o banco tentou afastar sua responsabilidade. Alegou que seus funcionários não perceberam indícios de falsificação, que os documentos eram suficientes e, por isso, fez o contrato de financiamento. Pediu para ser afastado do pólo passivo porque a compra e venda não chegou a se consumar. O vendedor da loja de carros, por sua vez, assumiu ter falsificado a assinatura da cliente.

De acordo com os desembargadores, o envio de cobrança de uma conta que não existe, a visita pessoal de uma cobradora tentando forçar os pagamentos e a impossibilidade de resolver o conflito administrativamente formam um quadro de dano moral. Ainda segundo a Turma, as duas rés são responsáveis solidariamente pelo pagamento da indenização.
(Proc.nº:20040111159468)

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 403 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal