Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

10/12/2005 - Agência Brasil Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Banco Central anuncia rigor maior sobre postos-chave para lavagem de dinheiro


Vitória - Detentores de cargos políticos, membros do poderes Executivo e Judiciário e profissionais que ocupam cargos relevantes na administração pública devem passar a ser acompanhados com mais rigor pelo sistema financeiro brasileiro, por meio do Banco Central (BC).

A idéia é criar um maior controle sobre as operações financeiras realizadas por essas pessoas, definidas como politicamente expostas ou PEPs (da sigla inglesa politically exposed persons) para evitar a corrupção e o desvio de recursos públicos.

O tema faz parte das 22 propostas que estão sendo debatidas durante o 3º Encontro da Estratégia Nacional para o Combate à Lavagem de Dinheiro (Encla), que será realizado até amanhã (11), em Vitória (ES).

O diretor do Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional do banco, Antenor Madruga, diz que até o fim de março já haverá uma lista definida com o nome de pessoas politicamente expostas no Brasil e o cargo que elas ocupam, e que até o final do primeiro semestre de 2006 o BC deve regulamentar essa atividade para o setor financeiro.

"Os bancos têm que olhar para as movimentações financeiras dessas pessoas com uma atenção maior do que do que olha para o cidadão comum. Isso é uma forma de prevenir a corrupção para saber se os recursos têm origem lícita ou não", afirma Madruga.

O diretor lembra que esse controle e a sua normatização fazem parte da Convenção de Combate à Corrupção da Organização das Nações Unidas – que entra em vigor no país na quarta-feira (14) –, pelo Grupo de Ação Financeira sobre Lavagem de Dinheiro (Gafi) e pelos principais bancos mundiais.

O ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, destaca que a maioria dos bancos internacionais já têm uma regulamentação informal e a lista de pessoas que ocupam cargos importantes "dentro da lógica da estrutura da lavagem de dinheiro".

Trata-se, segundo Bastos, de uma ação preventiva. "Todos os países do mundo já fazem isso. Hoje quando se tem um saque de mais de R$ 100 mil em dinheiro isso é comunicado ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), independentemente de haver suspeita ou não da licitude desse saque". O ministro comentou que ainda não foi definido quem se enquadrará no critério, mas que provavelmente serão os integrantes de escalões mais altos.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 552 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal