Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

30/11/2008 - Jornal Umuarama Ilustrado Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Falsos seqüestros se modernizaram

Por: Cleverson E. Zanquetti

Criminosos utilizam gravações ou põem pessoas ao vivo simulando a voz de um suposto parente mantido refém.

O golpe do falso seqüestro anunciado pelo telefone é conhecido mas continua pegando desprevenido e assustando muita gente. A novidade são os 'recursos especiais' utilizados pelos marginais. Gravações de pessoas gritando ou chorando simulam o desespero do suposto refém, enquanto o golpista aguarda a reação 'das vítimas', do outro lado da linha, quase sempre de um celular pré-pago.
O delegado da 7ª Subdivisão Policial (SDP), em Umuarama, Fernando Ernandes Martins, explica que as ligações são feitas de forma aleatória, as vozes aflitas – das gravações -, são interrompidas subitamente. O objetivo é evitar que o parente, do suposto seqüestrado, tente falar com a falsa vítima. Na seqüência os criminosos fazem ameaças. Atualmente a maior parte das ligações ocorrem à noite ou na madrugada.
Situação que, por alguns minutos, intrigou uma psicóloga umuaramense. Perto das 2h, da última quarta-feira ( 26), seu telefone tocou. Era uma garota apavorada: "Socorro. Eles vão me matar". Com a filha viajando a psicóloga quase acreditou no golpe não fosse a ignorância dos bandidos. Entre um grito e outro a garota falou: "Eles vão matar eu". "Minha filha não fala errado assim". Ela desligou, mas só se acalmou quando conseguiu falar com a filha.
Martins alerta que é fácil de identificar um golpe do gênero. Quase sempre os marginais pedem a compara de cartões de celular. "Esses golpes, quase sempre, parte de dentro de presídios, onde os detentos necessitam de crédito para falarem ao celular. A vítima deve tomar cuidado para não passar informações, como o nome de parentes, para não ajudar os criminosos".
O policial lembra que os primeiros golpes do tipo começaram a ser registrados em 2004, com ligações de presos do Complexo de Bangu, no Rio de Janeiro. Atualmente, boa parte dos golpes vêm do Nordeste. Os golpistas dessa região usam torpedos com promessas de premiações de carros. Eles dizem que os prêmios são entregues mediante a compra de créditos.
O delegado afirmou também que há dificuldade em contabilizar o falso seqüestro. 'As pessoas não costumam fazer boletim de ocorrência, muitas vezes por medo.' Ele considera, porém, que a freqüência desse crime vem diminuindo, porque a população está mais atenta.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 229 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal