Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS



Promoção BLACK WEEK. Até o dia 02/12 valor promocional para o Treinamento sobre Fraudes Crédito e Comércio ! CLIQUE AQUI.


Acompanhe nosso Twitter

25/11/2008 - JB Online Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Operação da PF desmonta esquema de fraude em importação de mercadorias


RIO DE JANEIRO - A Polícia Federal prendeu na manhã desta terça-feira, no Rio de Janeiro, treze pessoas suspeitas de envolvimento em um esquema de fraude em importação de mercadorias vendidas pelo grupo varejista Casa & Vídeo.

Entre os detidos estão Luigi Fernando Milone e Attílio Milone, apontados como sócios da empresa. De acordo com estimativa da Receita Federal, o grupo pode ter sonegado R$ 100 milhões em impostos nos últimos dois anos. Um acusado está foragido.

A Operação Negócio da China, realizada em conjunto pela Polícia Federal, Receita Federal e Ministério Público Federal, foi deflagrada com o objetivo de cumprir, além dos 14 mandados de prisão temporária, outros 21 de busca e apreensão nos estados do Rio de Janeiro e do Espírito Santo.

De acordo com o superintendente da Polícia Federal no Rio, Valdinho Jacinto Caetano, até o fim do dia, devem ser apreendidos, em diversos depósitos, materiais importados por meio do esquema fraudulento suficientes para lotar 80 carretas e oito carros blindados.

Durante as investigações, iniciadas há cerca de dois anos, a polícia verificou que o grupo fazia um planejamento de compras com exportadores da China. Essas mercadorias eram importadas por outras empresas ligadas à rede varejista, sem pagar os impostos que incidem neste tipo de operação, como o Imposto por Produto Industrializado (IPI). Além disso, o valor que constava nas notas fiscais pela importação das mercadorias era subfaturado.

- Como não poderia importar diretamente esse material, a empresa utilizava várias outras, que na realidade eram extensões da própria rede, efetuava as compras e pagava o preço acertado com o exportador que emitia notas com preços subfaturados. Dessa forma, a rede varejista sonegava os impostos que recairiam sobre o valor cheio das mercadorias - explicou a superintendente regional da Receita Federal, Eliana Polo Pereira.

Ela informou que a identificação dos responsáveis pelo esquema foi dificultada porque os donos das empresas envolvidas no esquema são na verdade outras empresas que têm sede nas ilhas Virgens Britânicas, um paraíso fiscal.

- É um emaranhado de empresas que torna difícil identificar quem são os verdadeiros donos - afirmou.

A superintendente revelou, ainda, que os recursos para a compra dos produtos também vinham do paraíso fiscal, o que configura lavagem de dinheiro. As investigações ainda não permitiram apontar, no entanto, a origem desses recursos, que, segundo a PF, provavelmente também é ilícita.

Ainda de acordo com Eliana Polo Pereira, os sócios das empresas envolvidas no esquema eram remunerados por meio do pagamento de trabalhos não prestados com emissão de notas frias.

- Esse montante entrava na contabilidade da empresa que poderia ainda abater dos impostos devidos - acrescentou.

Os acusados, que estão presos na sede da Superintendência da Polícia Federal no Rio, e devem ser transferidos ainda nesta terça-feira para o presídio de Água Santa, na zona norte da cidade, podem ser indiciados por sonegação fiscal, formação de quadrilha, descaminho, evasão de divisas e lavagem de dinheiro.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 162 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal