Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

17/11/2008 - Jornal de Notícias Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Sequestrados após promessas de sexo


Oito indivíduos faziam-se passar por bissexuais e são acusados de roubar e sequestrar indivíduos que contactavam pela Internet, a quem prometiam sexo. A sentença deste caso está marcada para o próximo dia 27.

Dos oito arguidos no processo, apenas seis estão acusados pelos dois crimes relacionados com a burla através da Internet (Paulo P., Álvaro B., Aurélio D., Domingos F., João C. e Ricardo M.), sendo que os dois restantes (Ricardo S. e Tiago G.) terão participado no roubo a pensões e residenciais.

Segundo a acusação, os arguidos faziam-se passar por bissexuais, nos chats do site Terravista, e ali conversavam com indivíduos que, dessa maneira, procuravam conhecer novos parceiros sexuais.

Numa dessas conversas, os arguidos terão combinado um encontro com Alberto F., de 60 anos, que os convidou para sua casa e onde acabou por ser manietado e roubado.

Noutro caso de roubo e sequestro, a vítima, segundo a acusação, terá sido João T. E nela, segundo o MP, terão participado quatro dos oito arguidos implicados em todo o processo. João T. acusa-os de o terem sequestrado dentro da sua viatura e de lhe terem retirado cartões de débito com os quais realizaram diversos levantamentos de dinheiro.

Na posse de um dos arguidos, segundo a acusação, estava um dos cartões multibanco alegadamente subtraídos ao ofendido. O anel que terá sido roubado estava com Domingos.

Provando a existência dos crimes, o MP pede a condenação de cinco dos oito arguidos pelos crimes de roubo, sequestro e burla através da Internet. A intenção do grupo, segundo o MP, era sempre a mesma, enganar o arguido prometendo relações homossexuais. Embora recorde que os arguidos confessaram os crimes ao juiz de instrução, o MP salienta que esse depoimento não será válido no tribunal.

Já os advogados de defesa foram unânimes em pedir a absolvição dos arguidos. Dizem não haver prova suficiente que os incrimine e ser invulgar que alguém leve para casa quem conhece apenas ao fim de vinte minutos de conversa.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 400 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal