Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

01/11/2008 - Jornal Opção Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

MP e po­lí­cia in­ves­ti­gam pa­pa-de­fun­tos

Ju­di­ci­á­rio já to­mou me­di­das pa­ra evi­tar frau­des no pa­ga­men­to de in­de­ni­za­ções e po­lí­cia sus­pei­ta que mor­te de ad­vo­ga­do es­te­ja re­la­ci­o­na­da com a co­bran­ça do se­gu­ro.

Os ad­vo­ga­dos são mes­tres em cri­ar ni­chos de mer­ca­do pa­ra o exer­cí­cio da pro­fis­são. Há pou­co tem­po des­co­briam que po­de­ri­am ques­ti­o­nar na Jus­ti­ça o ju­ro co­bra­do pe­las re­ven­de­do­ras de car­ro. As pes­so­as com­pra­vam o car­ro fi­nan­cia­do e, lo­go de­pois, os ad­vo­ga­dos en­tra­vam na Jus­ti­ça ques­ti­o­nan­do as ta­xas de ju­ro acor­da­das en­tre o cli­en­te e a re­ven­de­do­ra.

Uma das pes­so­as que caiu nes­ta pro­mes­sa, mas não quer se iden­ti­fi­car, con­ta que cin­co pes­so­as de sua em­pre­sa que ha­vi­am com­pra­do car­ros fi­nan­cia­dos fo­ram pro­cu­ra­das por um ad­vo­ga­do com a pro­mes­sa de re­du­zir em 50% o va­lor da pres­ta­ção. O ad­vo­ga­do co­brou an­te­ci­pa­da­men­te R$ 3 mil de ca­da no­vo cli­en­te mais cus­tas ad­vo­ca­tí­cias. Pas­sa­do um ano, ele in­for­mou aos seus cli­en­tes que a ten­dên­cia dos juí­zes pas­sou a ser de ne­gar a re­du­ção dos ju­ros. Eles po­de­ri­am per­der a ação que, se­gun­do o ad­vo­ga­do, es­ta­va ga­nha.

Quan­do o cli­en­te per­de a ação, o ban­co co­bra as pres­ta­ções no va­lor acor­da­do ini­ci­al­men­te e acres­ci­das de ju­ros e mul­ta. O per­so­na­gem aci­ma pre­vê que vai per­der o car­ro e os va­lo­res já pa­gos por­que não te­rá co­mo pa­gar o fi­nan­cia­men­to e o ban­co não te­rá in­te­res­se em re­ne­go­ci­ar sua dí­vi­da. O de­sem­bar­ga­dor Jo­ão Wal­deck con­ta que a mai­o­ria de seus pro­ces­sos diz res­pei­to a es­tes con­tra­tos ban­cá­rios — que ele par­ti­cu­lar­men­te in­de­fe­re — se­gui­dos das ações de DPVAT.

O DPVAT —Da­nos Pes­so­ais Cau­sa­dos por Ve­í­cu­los Au­to­mo­to­res de Via Ter­res­tre — é ou­tro ni­cho de mer­ca­do cri­a­do pe­los ad­vo­ga­dos. Em Go­i­ás, 54 ad­vo­ga­dos atuam in­ten­sa ou ex­clu­si­va­men­te nes­te mer­ca­do que mo­vi­men­ta anual­men­te R$ 11 mi­lhões em Go­i­ás. Ape­nas 30% das in­de­ni­za­ções do DPVAT são pa­gas di­re­ta­men­te à vi­ti­ma ou be­ne­fi­ciá­rio, o res­tan­te, 70%, pas­sa por in­ter­me­di­á­rios, ad­vo­ga­dos ou pro­cu­ra­do­res, que re­ce­bem no mí­ni­mo 20% da ação. Há in­for­ma­ções de que os ho­no­rá­rios ad­vo­ca­tí­ci­os de ações de DPVAT vão mui­to além dos cos­tu­mei­ros 20% e, em al­guns ca­sos, che­gam à to­ta­li­da­de da in­de­ni­za­ção, re­ti­ra­do o cus­to do fu­ne­ral da ví­ti­ma.

Na opi­ni­ão do pre­si­den­te da OAB de Go­i­ás, Mi­guel Can­ça­do, es­te mer­ca­do de tra­ba­lho foi cri­a­do por­que a se­gu­ra­do­ras re­sis­tem em pa­gar as in­de­ni­za­ções. "Se as se­gu­ra­do­ras sim­pli­fi­cas­sem o pro­ce­di­men­to de pa­ga­men­to, pa­gas­sem di­re­ta­men­te e não cri­as­sem to­das as re­sis­tên­cias que cri­am, não se­ri­am ne­ces­sá­rias tan­tas me­di­das ju­di­ci­á­rias co­mo são le­va­das ao po­der ju­di­ci­á­rio ho­je." O pre­si­den­te ad­mi­te, no en­tan­to, que não é ne­ces­sá­rio a in­ter­me­di­a­ção de ad­vo­ga­do pa­ra o re­ce­bi­men­to do se­gu­ro do DPVAT.

Pa­ra o su­pe­rin­ten­den­te da Su­pe­rin­ten­dên­cia de Se­gu­ros Pri­va­dos (Su­sep), Ar­man­do Ver­gí­lio dos San­tos Jú­ni­or, o que di­fi­cul­ta o rá­pi­do re­ce­bi­men­to da in­de­ni­za­ção são as frau­des. Se­gun­do ele, nas três mo­da­li­da­des de co­ber­tu­ra — mor­te, in­va­li­dez e as­sis­tên­cia mé­dica — há mui­tas frau­des. "Pes­so­as que com­põ­em um gru­po per­ni­cio­so, in­te­gram ver­da­dei­ras má­fi­as e ti­ram pro­vei­to de pes­so­as hu­mil­des. Apro­vei­tam-se de uma vi­ú­va, por exem­plo, que to­ma co­nhe­ci­men­to que o ma­ri­do foi atro­pe­la­do e mor­to por meio des­te ci­da­dão que fi­ca na por­ta de IML pa­ra ob­ter uma in­for­ma­ção pri­vi­le­gi­a­da. De­pois, che­ga ao be­ne­fi­ciá­rio e co­lhe uma pro­cu­ra­ção pa­ra en­trar com pe­di­do de in­de­ni­za­ção. Re­ce­be R$ 13,5 mil, va­lor da in­de­ni­za­ção por mor­te, cu­i­da mui­to mal do se­pul­ta­men­to da ví­ti­ma e fi­ca com o res­tan­te do di­nhei­ro a tí­tu­lo de ho­no­rá­rios." São os cha­ma­dos pa­pa-de­fun­tos.

Ho­je, tra­mi­tam no Ju­di­ci­á­rio 160 mil ações de DPVAT e, em Go­i­ás, de oi­to au­diên­cias fei­tas nas Va­ras de Fa­mí­lia, seis são re­fe­ren­tes à DPVAT, se­gun­do a juí­za Vâ­nia Jor­ge da Sil­va, da 5ª Va­ra de Fa­mí­lia. Pa­ra Mi­guel Can­ça­do, o gran­de vo­lu­me de me­di­das ju­di­ci­ais nes­te seg­men­to é de­vi­do à re­sis­tên­cia das se­gu­ra­do­ras em pa­gar as in­de­ni­za­ções das de­ze­nas de aci­den­tes que ocor­rem di­a­ria­men­te. "Só em Go­i­â­nia ocor­rem cer­ca de 19 mil aci­den­tes de trân­si­to por mês e as de­man­das de­cor­ren­tes da co­bran­ça de DPVAT se dão por cau­sa da au­sên­cia de pa­ga­men­tos por par­te de al­gu­mas se­gu­ra­do­ras." Se­gun­do ele, as se­gu­ra­do­ras ali­men­tam es­te mer­ca­do por­que re­sis­tem ao pa­ga­men­to e cri­am en­tra­ves que a lei não pre­vê. "A sim­pli­fi­ca­ção dis­so evi­ta­ria uma sé­rie de de­man­das ju­di­ci­ais."

Ar­man­do Ver­gí­lio in­sis­te que as ações de DPVAT, que têm abar­ro­ta­do o Ju­di­ci­á­rio, são mo­vi­das por cau­sa de frau­des. "Por­que an­tes foi ten­ta­do um re­ce­bi­men­to frau­du­len­to e hou­ve uma ne­ga­ti­va do pa­ga­men­to do si­nis­tro. A frau­de no DPVAT ho­je é mui­to gran­de e ocor­re das for­mas mais va­ri­a­das pos­sí­veis." Em agos­to, o ju­iz Car­los Al­ber­to Fran­ça, di­re­tor do Fo­ro de Go­i­â­nia, en­viou ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co e à Po­lí­cia Ci­vil uma sé­rie de de­nún­cias de frau­de no DPVAT.

As de­nún­cias es­tão sen­do in­ves­ti­ga­das pe­lo de­le­ga­do Mar­co An­tô­nio Mor­beck, da De­le­ga­cia Es­ta­du­al de In­ves­ti­ga­ção Cri­mi­nal, que in­ves­ti­ga for­ma­ção de qua­dri­lhas, e pe­lo Cen­tro de Apoio Ope­ra­ci­o­nal de Com­ba­te a Or­ga­ni­za­ções Cri­mi­no­sas do MP. Na OAB, não há mui­tos ca­sos de re­pre­sen­ta­ção de cons­ti­tu­in­tes que se di­gam le­sa­dos por ad­vo­ga­dos nes­ta área, afir­ma Mi­guel Can­ça­do. Mas a en­ti­da­de es­tá pre­o­cu­pa­da com de­nún­cias que não são pro­to­co­la­das, mas cor­rem de bo­ca em bo­ca no meio. "Es­ta­mos aten­tos aos li­mi­tes no con­tra­to en­tre o ad­vo­ga­do e o cons­ti­tu­in­te, o pra­zo de pa­ga­men­to e, so­bre­tu­do, à cap­ta­ção in­de­vi­da de clien­te­la."

Pa­pa de­fun­tos — A cap­ta­ção de cli­en­tes é fei­ta prin­ci­pal­men­te nas por­tas do Hospital de Urgências de Goiânia (Hu­go) e do Instituto Médico-Legal (IML), on­de os ad­vo­ga­dos man­têm pes­so­as pa­ra abor­dar ví­ti­mas e pa­ren­tes de ví­ti­mas de aci­den­tes de trân­si­to. O seg­men­to con­vi­ve tam­bém com ou­tras ir­re­gu­la­ri­da­des. Há in­for­ma­ções de re­ten­ção da in­de­ni­za­ção, em que os ad­vo­ga­dos re­ce­bem a in­de­ni­za­ção e não re­pas­sam pa­ra seus cli­en­tes, e de ho­no­rá­rios ad­vo­ca­tí­ci­os que che­gam a 50% a 60% do va­lor da in­de­ni­za­ção. Es­tes ca­sos ra­ra­men­te che­gam à OAB. "Es­ta­mos aten­tos, mas tam­bém não po­de­mos ge­ne­ra­li­zar. Os que ul­tra­pas­sam o sen­ti­men­to da éti­ca são le­va­dos ao tri­bu­nal de éti­ca e dis­ci­pli­na e ao con­se­lho de sec­ci­o­nal pa­ra jul­ga­men­to", diz Miguel Cançado.

Es­tes in­ter­me­di­á­rios que gra­vi­tam em hos­pi­tais e IMLs se va­lem do fa­to de pou­ca gen­te sa­ber que não é ne­ces­sá­rio um me­di­a­dor pa­ra re­ce­ber o se­gu­ro DPVAT. A ví­ti­ma ou be­ne­fi­ciá­rio da ví­ti­ma, em ca­so de mor­te, po­de so­li­ci­tar a in­de­ni­za­ção di­re­ta­men­te na se­gu­ra­do­ra. Se­gun­do Ar­man­do Ver­gí­lio, o pa­ga­men­to de DPVAT foi con­cen­tra­do na Se­gu­ra­do­ra Lí­der, re­pre­sen­tan­te do con­sór­cio de 70 se­gu­ra­do­ras que atuam no seg­men­to.

Em Go­i­ás, o Sin­di­ca­to dos Cor­re­to­res (Sindcor) as­si­nou um Ter­mo de Ajus­ta­men­to de Con­du­ta (Tac) com o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co em 1997 e, a par­tir de en­tão, pas­sou a pres­tar gra­tui­ta­men­te aten­di­men­to às ví­ti­mas e seu be­ne­fi­ciá­rios pa­ra re­ce­ber o DPAVT. Es­ta cen­tral de aten­di­men­to fun­cio­na den­tro do Pro­con Mu­ni­ci­pal, em Go­i­â­nia, e tam­bém em Aná­po­lis, Rio Ver­de e Itum­bi­a­ra.

Se­gun­do o pre­si­den­te do Sin­di­ca­to, Jo­a­quim Men­da­nha de Ataí­de, não há ne­nhu­ma di­fi­cul­da­de pa­ra re­ce­bi­men­to de DPVAT. Na opi­ni­ão do pre­si­den­te, a in­ter­fe­rên­cia de pro­cu­ra­do­res ocor­re de­vi­do à fal­ta de in­for­ma­ção. "O ci­da­dão aci­den­ta­do se en­con­tra de­bi­li­ta­do fí­si­ca e emo­cio­nal­men­te e pes­so­as que não têm boa fé pas­sam uma in­for­ma­ção di­fe­ren­te pa­ra in­ter­me­di­ar o pro­ces­so e ter seu ga­nho."

Jo­a­quim Men­da­nha ga­ran­te que não há ne­ces­si­da­de de in­ter­me­di­á­rio. "A Lí­der acei­ta a pro­cu­ra­ção, a pes­soa é li­vre pa­ra con­tra­tar um ad­vo­ga­do ou qual­quer ou­tra pes­soa pa­ra acom­pa­nhar, mas não tem ne­ces­si­da­de." Na Cen­tral do DPVAT, não são aten­di­dos in­ter­me­di­á­rios, ape­nas a ví­ti­ma ou seu be­ne­fi­ciá­rio e, se­gun­do Jo­a­quim Men­da­nha, o pra­zo má­xi­mo pa­ra li­be­ra­ção da in­de­ni­za­ção, de­pois de en­tre­gue to­dos os do­cu­men­tos, é de 30 di­as. "Já ti­ve­mos ca­sos de pa­ga­men­to de se­gu­ro de DPVAT em 15 di­as", con­ta. O be­ne­fí­cio é cre­di­ta­do di­re­ta­men­te na con­ta da ví­ti­ma ou do be­ne­fi­ciá­rio.

Se­gun­do Jo­a­quim Men­da­nha, há mui­tas frau­des no DPVAT. Se­gun­do ele, as mais co­muns são a co­bran­ça de aci­den­tes que não são de trân­si­to e au­men­to de des­pe­sa hos­pi­ta­lar.

O ju­iz Car­los Eli­as da Sil­va re­ce­beu do ad­vo­ga­do Le­on De­niz e en­ca­mi­nhou ao ju­iz cor­re­ge­dor do Fo­ro, Car­los Al­ber­to Fran­ça, uma sé­ria de ocor­rên­cias frau­du­len­tas usa­das pa­ra re­ce­bi­men­to de in­de­ni­za­ção de DPVAT. Em uma de­las, se des­co­briu que o bo­le­tim de ocor­rên­cia uti­li­za­do na ação não era ver­da­dei­ro. O nú­me­ro ha­via si­do re­ti­ra­do de uma ocor­rên­cia aten­di­da pe­los bom­bei­ros não de atro­pe­la­men­to de mo­to­ci­cle­ta, co­mo cons­ta­va na ação, mas de ato­la­men­to de uma va­ca. Os frau­da­do­res apro­vei­ta­ram o nú­me­ro da ocor­rên­cia pa­ra fa­zer o bo­le­tim de um aci­den­te de trân­si­to.

Fo­ram iden­ti­fi­ca­dos mais ou­tros três ca­sos em que o Cor­po de Bom­bei­ros in­for­mou que as in­for­ma­ções do bo­le­tim usa­dos na ação de DPVAT não cor­res­pon­di­am com a ocor­rên­cia ver­da­dei­ra. Em um de­les, uma que­da do te­lha­do trans­for­mou-se em atro­pe­la­men­to por car­ro. As fal­si­fi­ca­ções, que vão des­de a al­te­ra­ção dos no­mes dos en­vol­vi­dos, en­de­re­ço da ocor­rên­cia, da­tas dos fa­tos e até re­su­mo dos fa­tos, pro­vo­ca­ram uma re­u­ni­ão dos ju­í­zes que atuam na área de pa­ga­men­to de DPVAT.

Pa­ra im­pe­dir as frau­des, o Ju­di­ci­á­rio de­ci­diu to­mar al­gu­mas me­di­das, en­tre as qua­is a exi­gên­cia do ori­gi­nal dos do­cu­men­tos, não mais da có­pia, ex­pli­ca a juí­za Vâ­nia Jor­ge. A me­di­da im­pe­de que o uso do nú­me­ro de uma ocor­rên­cia que não se­ja de trân­si­to pa­ra ob­ter be­ne­fí­cio do DPVAT. Na se­gun­da ins­tân­cia, a mai­o­ria dos de­sem­bar­ga­do­res es­tá de­vol­ven­do o pro­ces­so pa­ra que se­ja fei­ta uma pe­rí­cia ofi­ci­al. As me­di­das ir­ri­ta­ram os ad­vo­ga­dos.

Na opi­ni­ão de Mi­guel Can­ça­do, a de­ci­são da Jus­ti­ça cri­ou en­tra­ves que a lei não im­põe. "De­fen­de­mos que quan­do o ad­vo­ga­do ou pro­fis­si­o­nal de ou­tra área que atue no ca­so co­me­ta al­gu­ma fal­ta éti­ca-dis­ci­pli­nar, que se­ja co­mu­ni­ca­do a OAB pa­ra que a en­ti­da­de to­me as pro­vi­dên­cias, iden­ti­fi­can­do o au­tor da re­pre­sen­ta­ção e o ad­vo­ga­do. Não se po­de ge­ne­ra­li­zar a con­du­ta an­ti­é­ti­ca e a Or­dem não ad­mi­te que is­so se­ja fei­to."

A ad­vo­ga­da Magda Ma­cha­do, que atua no seg­men­to de DPVAT, con­si­de­ra as me­di­das to­ma­das "aber­ra­ções ju­rí­di­cas pro­ta­go­ni­za­das pe­lo Ju­di­ci­á­rio go­i­a­no, após al­guns ca­sos iso­la­dos de frau­des que fo­ram de­tec­ta­dos". Magda Ma­cha­do afir­ma que, em ca­so de óbi­to, a atu­a­ção de ad­vo­ga­do é ne­ces­sá­ria por­que "a bu­ro­cra­cia é evi­den­te". Se­gun­do ela, a in­ter­ven­ção do ad­vo­ga­do é ne­ces­sá­ria por­que, até 1995, as se­gu­ra­do­ras pa­ga­vam um va­lor in­sig­ni­fi­can­te aos be­ne­fi­ciá­rios das ví­ti­mas que morriam. "Em vir­tu­de da atu­a­ção da ad­vo­ca­cia na co­bran­ça das di­fe­ren­ças de­vi­das, atu­al­men­te ces­sou es­ta ile­ga­li­da­de", diz Magda.

Em re­la­ção ao be­ne­fí­cio da in­va­li­dez per­ma­nen­te to­tal ou par­ci­al de­cor­ren­te de aci­den­te, Magda Ma­cha­do diz que o Con­vê­nio-DPVAT ela­bo­rou uma ta­be­la es­pe­cí­fi­ca pa­ra cál­cu­lo de in­de­ni­za­ção "em com­ple­to ar­re­pio da lei, não ob­ser­van­do a hi­e­rar­quia das nor­mas, ha­ja vis­ta que quer so­bre­por le­gis­la­ção fe­de­ral, com o ob­je­ti­vo de in­de­ni­zar em va­lo­res ín­fi­mos, cau­san­do pre­ju­í­zo aos de­bi­li­ta­dos, con­se­qüen­te­men­te en­ri­que­ci­men­to ilí­ci­to das se­gu­ra­do­ras".

Na opi­ni­ão da ad­vo­ga­da, a atu­a­ção dos ad­vo­ga­dos na co­bran­ça das se­gu­ra­do­ras tem um enor­me al­can­ce so­ci­al. "A mai­o­ria das ví­ti­mas é de pes­so­as po­bres e des­pro­vi­das de re­cur­sos, de­sin­for­ma­das, com de­bi­li­da­des às ve­zes até de se lo­co­mo­ve­rem, ne­ces­si­tan­do de uma as­sis­tên­cia ju­rí­di­ca di­fe­ren­ci­a­da e es­pe­cia­li­za­da na área, pois exis­tem ope­ra­do­res do di­rei­to que des­co­nhe­cem da ma­té­ria". Magda Ma­cha­do afir­ma que o ad­vo­ga­do po­de co­brar ho­no­rá­rios li­vre­men­te pac­tu­a­dos en­tre as par­tes, in­de­pen­den­temente de ho­no­rá­rios de su­cum­bên­cias, ob­ser­van­do os pre­cei­tos do Có­di­go de Éti­ca da OAB.

Em re­la­ção aos "ca­sos iso­la­dos de cap­ta­ção de clien­te­la", a ad­vo­ga­da afir­ma que "ca­be­rá ao ór­gão com­pe­ten­te Tri­bu­nal de Éti­ca Dis­ci­pli­nar da OAB, em ca­sos de­vi­da­men­te com­pro­va­dos ob­ser­van­do os pro­ce­di­men­tos es­ta­tu­tá­rios e le­gais, a pu­ni­ção do pro­fis­si­o­nal". Se­gun­do ela, não de­ve acon­te­cer é uma ge­ne­ra­li­za­ção. “Os ca­sos iso­la­dos de ir­re­gu­la­ri­da­des/frau­des de­vem ser in­ves­ti­ga­dos ca­so a ca­so, res­pei­tan­do os prin­cí­pios cons­ti­tu­ci­o­nais, do con­tra­di­tó­rio e da am­pla de­fe­sa."

O ad­vo­ga­do Mar­ce­lo Di Re­zen­de, tam­bém de­nun­cia que as me­di­das to­ma­das das pe­lo Ju­di­ci­á­rio co­lo­ca­ram to­dos os ad­vo­ga­dos na con­di­ção de frau­da­do­res. "Co­lo­cou to­do mun­do na mes­ma va­la." Ele diz que, co­mo em to­da pro­fis­são, há os ho­nes­tos e os de­so­nes­tos. Os de­so­nes­tos se apro­vei­tam de li­ga­ções que têm den­tro de hos­pi­tais pa­ra fa­zer cap­ta­ção de cli­en­tes, co­bram ho­no­rá­rios aci­ma dos 20% pre­co­ni­za­dos pe­la OAB e, quan­do o des­fe­cho da ação de­mo­ra, há ad­vo­ga­dos que com­pram a ação por um va­lor mui­to abai­xo do es­ti­ma­do, apro­vei­tan­do-se da ne­ces­si­da­de do cli­en­te. Se­gun­do Mar­ce­lo Di Re­zen­de, a me­di­da que mais pre­ju­di­cou os ad­vo­ga­dos foi a exi­gên­cia de lau­do pe­ri­ci­al. "Ho­je há fi­la de um ano pa­ra fa­zer es­te lau­do", diz.

A pre­o­cu­pa­ção do Ju­di­ci­á­rio e ago­ra da po­lí­cia e do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co tem ra­zão de ser. As evi­dên­cias apon­tam pa­ra a exis­tên­cia de uma má­fia que en­vol­ve al­guns ad­vo­ga­dos, cap­ta­do­res de cli­en­tes e fun­cio­ná­rios de IML e hos­pi­tais, além de ir­re­gu­la­ri­da­des co­mo a re­ten­ção de in­de­ni­za­ções e co­bran­ças abu­si­vas de ho­no­rá­rios. Há ain­da in­dí­ci­os de que a mor­te do ad­vo­ga­do Il­mar Go­mes Mar­ca, em 26 de se­tem­bro, es­te­ja re­la­ci­o­na­da com a má­fia do DPVAT. "Es­ta é uma das li­nhas de in­ves­ti­ga­ção", afir­ma Jo­sé Ma­ria da Sil­va, de­le­ga­do de In­ves­ti­ga­ção de Ho­mi­cí­di­os res­pon­sá­vel pe­lo ca­so.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 1213 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal