Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

27/10/2008 - Midiamax Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Ipek já é investigada pela polícia de Minas Gerais

Por: Osvaldo Júnior


A empresa Ipek, alvo de reclamações de dezenas de consumidores de diversas partes do país, seria apenas um nome entre outros usados por uma quadrilha de estelionatários, investigada recentemente pela Polícia Civil de Minas Gerais. Nesse estado, o grupo tinha um escritório de uma empresa, denominada Digiminas, que, como a Ipek em Campo Grande, permaneceu por alguns meses na cidade de Uberaba e, após fazer vítimas em vários estados, fechou as portas e tirou o site do ar.

O delegado Luiz Antônio Blanco, que esteve à frente das investigações, descobriu que a quadrilha, bem organizada, abria e fechava empresas de acordo com a conveniência, migrando de cidade em cidade. Além de Ipek e Digiminas, outro nome descoberto pela polícia mineira é Evidence. Matéria do JM Online (edição de 19 deste mês) informa que os golpes, aplicados pela Digiminas, teriam somado valor aproximado de R$ 100 mil.

Outra conclusão da polícia é de que, inicialmente, as empresas chegam a entregar alguns produtos para ganhar credibilidade. Esse estratagema ajuda a entender dois elogios postados no site Buscapé sobre a Ipek. Um comentário de 31 de Julho diz que os funcionários da Ipek são prestativos e que fizeram a entrega antes do prazo combinado. O outro comentário, de 12 de setembro, diz que a empresa tem ótimos preços e que entregou o produto dentro do prazo. Depois desses, os comentários seguintes são todos negativos e já fazem menções aos golpes.

A Ipek tinha endereço físico em Campo Grande – funcionava na sala 2 de uma galeria na rua Antônio Maria Coelho, 1152. No dia 3 deste mês, a empresa mudou-se do lugar. Na galeria, ninguém soube informar o novo endereço dos responsáveis pela loja. Na semana seguinte, o site www.ipek.com.br foi tirado do ano.

Antes de ser desativado, o site foi acessado pela reportagem do Midiamax. Na página da empresa, constava como razão social Wagner José Bertacini, que pode ser nome de laranja, conforme a Polícia Civil. Também havia os seguintes números de contas para os depósitos dos consumidores: Banco do Brasil ( agência 2951-3, C/C 23788-4), Banco Itaú (agência 0091, C/C:45453-8), Banco Real (agência 1582, C/C:3001850-1) e Banco Bradesco (agência 73-6, C/C:0145510-9).

Vítima

Após veicular matérias sobre os golpes, o Midiamax começou a receber denúncias por telefone e e-mails de pessoas lesadas em diversas partes do país. Entre as vítimas, está Carlos Roberto de Oliveira, 34, que trabalha em uma empresa de engenharia em computação de Volta Redonda (RJ).

Ele conta que comprou um projetor no valor de R$ 1.350 e fez o pagamento através de boleto bancário. “Eu fiz essa compra em 25 de setembro e eles me disseram que entregariam em dez dias, mas até agora nada”, contou Carlos na sexta-feira (24 de outubro).

O Buscapé, site que oferece ao consumidor serviço de comparação de preços e produtos diversos, tinha em seu cadastro a empresa Ipek. No entanto, após dezenas de reclamações, o site Buscapé resolveu incluir a Ipek na lista das empresas com práticas comerciais não-confiáveis.

Decon

A Ipek está sendo investigada pelo delegado da Decon (Delegacia do Consumidor) Adriano Garcia Geraldo. Ele solicita que as vítimas enviem cópias dos boletins de ocorrência, o que ajudará a dimensionar a grandeza do golpe. O telefone da Decon de Campo Grande é (67) 3316-9805.


Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 305 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal