Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

23/10/2008 - Agência Financeira Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Queda das bolsas causa mais ciber-crime económico


Falsos antivírus geram mais de 10 milhões de euros por mês na economia paralela

A queda dos mercados bolsistas tem um impacto directo no aumento do crime económico perpetrado através da Internet.

O PandaLabs, da marca de software de antivírus Panda Security, lançou um alerta de segurança que revela uma correlação directa entre a volatilidade do mercado bolsista e o aumento do aparecimento de novas ameaças.

De acordo com o PandaLabs, «ambos estão muito mais interligados do que se previa e a recente instabilidade nas Bolsas acelerou o volume de ciber-ataques direccionados e o seu impacto relativo na economia ao longo do último mês e meio», refere em comunicado.

Além disso, analistas do PandaLabs acreditam que o recente pico no volume de malware pode estar relacionado com o facto de os ciber-criminosos agora terem menos alvos possíveis como resultado das consolidações na banca.

Criminosos usam criatividade para se adaptarem às mudanças

«Quando começámos a observar os efeitos específicos dos ciber-criminosos na economia durante épocas de recessão, descobrimos uma interligação surpreendente: a economia criminosa está intimamente relacionada com a economia», afirma o director técnico do PandaLabs, Luis Corrons. «Baseados na nossa pesquisa e análise extensivas de padrões de malware emergente, acreditamos que as organizações criminosas observam de perto o desempenho dos mercados e adaptam-se às suas necessidades para assegurar a máxima rentabilidade», acrescenta.

Como resultado da consolidação bancária, passarão a existir menos entidades bancárias a longo prazo, e a percepção de instabilidade na comunidade financeira torna os alvos menos atractivos. Esta situação provocou um aumento no volume de outros tipos de malware como o adware, que em circunstâncias normais seria a segunda opção, atrás dos «Trojans».

«Os ciber-criminosos têm de aumentar a sua actividade para alcançar mais utilizadores com campanhas destinadas a colocar dinheiro directamente nos seus bolsos, especialmente durante épocas de instabilidade económica. Por exemplo, verificámos um aumento no número de falsos softwares antivírus que enganam os utilizadores levando-os a realizar uma transacção online, em vez dos criminosos confiaram no phishing para obterem credenciais para acesso a bancos», explica Corrons. «Os nossos dados demonstram que estas campanhas de falsos antivírus estão a gerar mais de 10 milhões de euros de lucros mensais, na economia paralela».

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 270 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal