Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

29/09/2006 - 24 Horas News Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Doleiros são acusados de enviar US$ 19 bilhões aos EUA


A investigação que resultou no indiciamento de 34 doleiros brasileiros em Manhattan descobriu que eles remeteram ilegalmente US$ 19 bilhões para bancos daquele setor de Nova York entre 1997 e os dias de hoje. Indiciamento, para a Justiça americana, significa que o investigado foi convertido em réu. O valor corresponde hoje a R$ 41,5 bilhões.

Os doleiros são acusados de remessa ilegal, lavagem de dinheiro e de operar com valores em Manhattan sem ter licença para isso. O indiciamento deles foi anunciado anteontem.

A Promotoria Distrital de Nova York, que conduz a acusação, conseguiu congelar US$ 17,4 milhões que foram remetidos ilegalmente por doleiros.

O mais famoso dos indiciados é Hélio Laniado, que namorou Daniela Cicarelli e a atriz Carolina Ferraz. Laniado está detido em Curitiba. Ele foi preso na República Tcheca em agosto do ano passado e extraditado em agosto. No Brasil, ele é acusado de ter enviado ilegalmente US$ 1,1 bilhão para os Estados Unidos.

Cooperação Brasil-EUA

Os 34 doleiros já são réus da Justiça brasileira por conta das investigações em torno do Banestado --o Banco do Estado do Paraná que era usado para fazer remessas ilegais. A CPI do Banestado calculou que uma única agência desse banco, a de Foz do Iguaçu, remeteu R$ 150 bilhões entre 1996 e 2002.

A documentação reunida sobre o Banestado originou a maior investigação já realizada no Brasil sobre doleiros, conduzida pela Força-Tarefa CC5, um grupo de delegados da Polícia Federal e procuradores que têm como base Curitiba.

A acusação da Promotoria Distrital de Nova York partiu dos dados reunidos pela Força-Tarefa CC5 nos desdobramentos do caso Banestado. Uma das descobertas era que os doleiros brasileiros passaram a usar o Uruguai para fazer remessas para os EUA.

A promotoria de Manhattan encontrou o passo seguinte. O dinheiro que saía do Uruguai era remetido para uma agência do Bank of America: US$ 3 bilhões fizeram esse percurso, segundo a promotoria de Manhattan.

O Bank of America foi multado em US$ 6 milhões porque as normas da instituição não foram suficientes para evitar o depósito de dinheiro sujo. Os US$ 6 milhões serão revertidos para a cidade e o Estado de Nova York em projetos que serão escolhidos pelo promotor distrital Robert Morgenthau. O Bank of America vai bancar os custos da investigação da promotoria (US$ 1,5 milhão).

Outro banco acusado de lavagem de dinheiro de brasileiros é o Valley National Bank. Doleiros brasileiros operavam 39 contas nessa instituição, as quais receberam US$ 3,7 bilhões entre fevereiro de 1998 e junho de 2002.

Dólares do terror

Morgenthau aponta que o dinheiro remetido por doleiros brasileiros pode ter ajudado a financiar o terrorismo. Dados de um dos bancos investigados, o Beacon Hill, mostram que foram feitas remessas que somam US$ 31,5 milhões para Paquistão, Líbano, Jordânia, Dubai e Arábia Saudita, países que abrigam células terroristas, segundo a promotoria.

Os registros do Beacon Hill apontam que US$ 65 milhões que passaram pelo banco entre 1997 e 2002 tinham nas duas pontas do negócio empresas ou pessoas que atuam na Tríplice Fronteira --entre Brasil, Paraguai e Argentina. Os EUA acusam empresas da região de financiar o terrorismo.

Outro banco investigado, o Israel Discount Bank of New York, recebeu US$ 2,2 bilhões de doleiros brasileiros e concordou em adotar medidas para evitar lavagem de dinheiro.

Três advogados de doleiros não quiseram comentar as acusações sob a alegação de que não conhecem o processo.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 541 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal