Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

24/09/2008 - Folha de São Paulo Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

FBI investiga suposta fraude de gigantes financeiras dos EUA


O FBI (a polícia federal americana) abriu uma investigação sobre as denúncias de fraude contra gigantes financeiras americanas depois que as companhias foram afetadas pela turbulência na economia do país. O banco de investimentos Lehman Brothers, as empresas de hipotecas Fannie Mae e Freddie Mac, e a seguradora AIG são os principais alvos.

A TV CNN informou que as empresas são acusadas de fraude, e a investigação inclui 26 companhias cotadas em Wall Street.

"A polícia federal americana desenvolve 26 investigações de fraude corporativa envolvendo os créditos subprime", disse o porta-voz do FBI Richard Kolko à rede de televisão ABC.

O FBI busca determinar se executivos dessas empresas tiveram responsabilidade no atual desastre que atinge o sistema financeiro americano por meio de "desinformação", disse a CNN. "O total de empresas investigadas pode flutuar com o tempo; de qualquer modo, não discutimos que companhias podem ou não ser objeto de uma varredura", afirmou.

A investigação ocorre no momento em que o Congresso americano analisa o plano de socorro de US$ 700 bilhões montado pelo governo Bush para salvar a economia americana.

A indefinição sobre o plano e sobre a verdadeira situação do mercado financeiro americano têm derrubado as Bolsas de todo o planeta.

Pacote

O secretário do Tesouro, Henry Paulson, e o presidente do Federal Reserve (Fed, o BC americano), Ben Bernanke, foram nesta terça-feira (23) ao Congresso para esclarecer os congressistas sobre o pacote que o governo espera ver aprovado logo, para evitar novos casos como o do banco de investimentos Lehman Brothers -que pediu concordata na semana passada.

Bernanke foi incisivo ao dizer que a economia americana corre o risco de entrar em recessão, com o aumento do desemprego e do número de despejos, se o Congresso não aprovar o pacote. Segundo ele, a não-aprovação tornaria impossível para as empresas investir em produção e em novas contratações, e, para os consumidores, comprar itens de maior valor, como carros e casas.

"Acredito que se os mercados de crédito não estiverem funcionando, empregos serão perdidos, nossa taxa de crédito vai aumentar, mais despejos vão ocorrer, o PIB [Produto Interno Bruto] vai contrair e a economia não vai conseguir se recuperar de um modo normal, saudável", disse.

Paulson, por sua vez, disse que o governo americano intervirá rapidamente nos mercados com a compra de ativos garantidos por hipotecas, assim que o Congresso aprovar o pacote.

O Congresso se mostrou cético diante da proposta. O presidente do Comitê de Bancos do Senado, o democrata Christopher Dodd, disse que a proposta, tal como foi enviada ao Congresso, permitiria ao secretário agir com "absoluta impunidade" e que essa crise era "completamente previsível e evitável, não foi um ato de Deus".

O senador democrata Charles Schumer, por sua vez, disse que o Congresso irá agir com rapidez, mas não sem uma séria análise. "Mesmo em Wall Street, US$ 700 bilhões é muito dinheiro."

Com a incerteza, o movimento nas Bolsas fica menor, com a espera por uma definição sobre os detalhes do pacote. "Há ceticismo sobre se US$ 700 bilhões é o número certo", disse o gerente e diretor de negócios da Baird & Co., Jim Herrick.

"Vamos ver volatilidade por um tempo, mesmo depois de aprovado o pacote, porque acho que ainda estamos diante de uma desaceleração na economia mundial que vai ter um impacto sobre os lucros", disse o executivo-chefe da Ashfield Capital Partners em San Francisco, J. Stephen Lauck.

Previsão

A Casa Branca declarou nesta terça-feira (23) que já tinha um plano de socorro financeiro há dois meses. "Não é um plano concebido ou desenhado às pressas. Houve uma enorme soma de análises, debates e discussões antes de apresentá-lo", afirmou o porta-voz da Casa Branca Tony Fratto.

"Certos membros da equipe política tiveram meses para refletir sobre este plano, como poderia funcionar. Outros tiveram ao menos semanas para analisar isto", disse.

Vários parlamentares influentes, insatisfeitos com as explicações dadas na terça-feira pelo secretário do Tesouro, Henry Paulson, já solicitaram ao governo que modifique o plano de socorro financeiro.

Segundo Fratto, "é realmente necessário que isto saia rápido" e "vamos nos opor aos esforços para retardá-lo" no Congresso. "Tenho confiança de que será aprovado ainda esta semana".

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 292 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal