Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

24/09/2006 - Folha de São Paulo Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Mercado paralelo é estimado em US$ 63 bi por ano no país


Curitiba é o epicentro da maior investigação sobre doleiros já realizada no Brasil. A apuração é conduzida pela Força Tarefa CC5, um grupo de policiais federais e procuradores que se vale de um contêiner de documentos enviados por promotores dos Estados Unidos para tentar jogar luz num negócio que se caracteriza pelo sigilo entre as partes e pela ausência de documentos.

Curitiba abriga a central de investigações por causa das remessas ilegais para os EUA feitas pela agência do Banestado (Banco do Estado do Paraná) de Foz do Iguaçu entre 1996 e 2002. A CPI do Banestado estimou que o banco tenha remetido cerca de R$ 150 bilhões nesse período. A agência usava contas CC5 (que deveria ser restrita a estrangeiros) para fazer as remessas para os EUA -daí o nome da força-tarefa.

Os réus em processos que tiveram origem na força-tarefa remeteram US$ 20 bilhões de 1996 a 2003.

Estima-se que o mercado paralelo de dólar movimente US$ 63 bilhões por ano no país. A Polícia Federal tem especial interesse nesse setor por ele girar dinheiro sem origem declarada, seja ele gerado por corrupção, tráfico de drogas ou caixa dois de empresas.

O IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário) aponta que as empresas são atualmente os principais clientes dos doleiros. O comércio exterior explicaria por que empresas tornaram-se clientes preferenciais dos doleiros, segundo o IBPT. Para exportar ou importar produtos e pagar menos impostos, parte dos pagamentos é feita no exterior. Quem cuida de fazer essas remessas sem pagar impostos são os doleiros.

Foi em Curitiba que foi criada a segunda vara da Justiça Federal especializada em crimes contra o sistema financeiro e lavagem de dinheiro --a primeira é a de Porto Alegre.

O acúmulo de informações sobre esse mercado levou uma série de doleiros a participar do programa de delação premiada da Força Tarefa CC5.

O objetivo dos policiais e procuradores ao negociar a redução de pena em troca de informações é levar à prisão pessoas famosas, sejam elas empresários, artistas ou políticos.

Eles acreditam que a punição de famosos teria uma função "didática": serviria para desestimular o recurso ao mercado paralelo.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 414 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal