Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

30/08/2008 - Diário de Cuiabá Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Falso seqüestro ainda permanece


O golpe do falso seqüestro por telefone celular ainda não morreu. Os criminosos continuam infernizando a vida das pessoas da Grande Cuiabá. Na semana passada, uma professora da rede estadual de ensino foi mais uma vítima e uma das poucas que acabou registrando queixa na Polícia Civil. Ela disse que só não acreditou porque o celular ficou no silencioso durante o período que estava em sala de aula.

“Assim que saí para o intervalo o telefone tocou novamente e era o número do celular da minha filha. Era uma voz de homem dizendo que ela estava seqüestrada e exigia R$ 200 em cartões telefônicos. Fiquei tão nervosa que nem percebi o baixo valor pedido e em cartões pré-pagos”, explicou.

A professora não precisou retornar a ligação porque logo encontrou a filha que a procurou na escola, e percebeu a farsa. Ela, então resolveu procurar a Delegacia do Complexo do Verdão onde registrou queixa.

Policiais plantonistas disseram ser impossível localizar quem praticou o trote, mas têm certeza que a ligação saiu de algum presídio da Grande Cuiabá. “Eles (os criminosos) pedem cartões para celulares locais. Se fossem de outros estados, com certeza, teriam dificuldades em saber o código da área”, lembrou um policial.

Outro golpe utilizado pelos detentos e aplicado via celular é o do “sorteio milionário”. A ligação é feita para um telefone geralmente fixo e o bandido se passa por representante de uma multinacional alegando que a pessoa foi sorteada. O prêmio geralmente é um carro.

“Para receber o prêmio em casa, a pessoa tem que ter o código de barras de algum produto e, principalmente, comprar R$ 200 em cartões telefônicos”, explicou um policial de plantão na Delegacia do Verdão. “A pessoa fica tão empolgada com o carro que pensa em ganhar que compra os cartões e nem percebe que se trata de um golpe. Só depois é que percebe ter passado por trouxa”. (AR)

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 177 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal