Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

19/08/2008 - Último Segundo / Agência Estado Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Encontrada falsa receita de medicamento para emagrecer


Com apenas seis meses de vigência, a receita que torna mais rígido o controle de medicamentos para emagrecer já se tornou alvo de falsificação no município de São Paulo. Uma via simulando o timbre da Irmandade Santa Casa de Misericórdia de São Paulo foi usada para tentar comprar anfepramona.

A substância, um anorexígeno que é a base de remédios como o Hipofagin, pode causar surtos psicóticos e hipertensão, se não utilizada adequadamente. As farmácias paulistanas foram avisadas pela Coordenadoria de Vigilância Sanitária (Covisa) sobre a possibilidade de existirem até 4.999 pedidos falsos feitos com o nome do hospital.

É a primeira fraude identificada na capital desde que a receita começou a valer, em janeiro. O novo modelo foi adotado justamente para conter o uso indiscriminado de anorexígenos - o País é um dos maiores consumidores desses produtos.

Em São Paulo, eles são o principal motivo de falsificações descobertas pela Covisa, segundo Ricardo Antônio Lobo, gerente de Produtos e Serviços do órgão. A Secretaria Municipal de Saúde não informou o número de fraudes com o modelo antigo, que também servia para outros medicamentos.

O objetivo do fraudador era conseguir 60 cápsulas de 60 mg de anfepramona - quantidade adequada para os casos de tratamento de obesidade - em uma farmácia de manipulação no centro da cidade. O produto, de tarja preta, pode custar cerca de R$ 20 para quem tem a receita. Na internet, há anúncios de venda sem receita a R$ 80 por 60 cápsulas de 75 mg.

Numeração

A Covisa levantou a hipótese de que o documento tenha sido forjado a partir de uma receita da categoria B, que era a utilizada até o ano passado para prescrever os anorexígenos e hoje serve apenas para outros medicamentos controlados. As notificações B2 são administradas pela Covisa, que emite uma determinada numeração específica para um médico ou um estabelecimento de saúde que a solicita.

A receita usada, 01.300.430, não foi destinada à Santa Casa. O hospital, entretanto, tinha autorização para usar uma receita com o mesmo número da categoria B, e não B2. O fraudador teria tentado incluir o algarismo 2 para comprar, com o documento antigo, anfepramona.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 253 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal