Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

19/08/2008 - SwissInfo Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Suíça integra banco de dados das polícias européias

Por: Alexander Künzle


A adesão iminente da Suíça à área de livre circulação européia começa a ter efeitos práticos. A polícia helvética agora tem acesso direto ao Sistema de Informação Schengen (SIS), alimentado por 25 países europeus.

O banco de dados SIS, que reúne mais de 27 milhões de informações, permite à polícia suíça agilizar as investigações e o combate ao crime internacional.

Há quase quatro anos, os suíços aprovaram nas urnas a adesão do país aos acordos de Dublin e Schengen, que regulamentam a cooperação policial e o controle de fronteiras na Europa. A Suíça comprometeu-se a cumprir e a ajudar a aperfeiçoar esses acordos.

Essa decisão começa a sair do papel. Deste a última quinta-feira, as polícias estaduais suíças têm pleno acesso ao banco de dados do SIS. A partir de dezembro próximo, a Confederação Helvética deve integrar de vez o espaço Schengen.

Desde março deste ano, vigoram também os acordos de Schengen e Dublin referentes à Justiça e ao asilo político, assinados entre a Suíça e a União Européia.

Sem o funcionamento do SIS em seu território, a Suíça não pode ingressar no espaço Schengen. Por isso, peritos europeus farão uma inspeção em setembro próximo para ver se tudo funciona corretamente.

Mais rápido do que a Interpol

Com o SIS, a polícia e os guardas de fronteira da Suíça podem combater o crime transnacional com maior agilidade do que era possível através da cooperação européia via Interpol.

O sistema da Interpol é lento porque não permite o acesso direto do usuário ao banco de dados, diz Benedikt Scherer, da Secretaria Federal de Polícia (Fedpol).

Agora, qualquer consulta feita no banco de dados criminal nacional (Ripol) automaticamente desencadeia uma busca em toda a Europa. Em caso de um resultado positivo, os policiais ou guardas que realizaram a busca contatam o escritório Sirene (Supplementary Information Request at the National Entry), em Berna.

Existem escritórios Sirene nos 25 Estados-membros do Acordo de Schengen. Na Suíça, o escritório instalado junto à Fedpol conta com 31 funcionários (11 deles policiais) e funciona como plataforma nacional de intercâmbio de informações do SIS.

Não se trata, porém, de uma instituição comparável a uma polícia federal. Também após a adesão ao SIS, as velhas atribuições continuam valendo, explica Scherer. "A responsabilidade pelas investigações continua sendo dos juízes e policiais cantonais – isso não muda", acrescenta.

20 mil consultas por dia

A maioria das buscas é realizada por policiais (16 mil por dia), conforme apontam as estatísticas do SIS. Mas há ainda outras instituições com acesso às informações: a alfândega, repartições que concedem vistos, departamentos de trânsito, a Secretaria Federal de Migração e as missões diplomáticas. No total, são feitas mais de 20 mil consultas por dia ao SIS.

Quando algo ou alguém é inserido na lista de "procurado" do SIS, essa informação aparece em questão de minutos na tela de todos os computadores conectados ao sistema – uma novidade na Suíça.

Mais de 27 milhões de dados

Em julho de 2008, mais de 27 milhões de dados estavam registrados no SIS. Mais de 26 milhões deles referiam-se a objetos procurados como armas de fogo, veículos, notas de dinheiro registradas, carteiras de identidade ou formulários (verdadeiros) roubados para emissão de passaportes falsos.

Dos aproximadamente um milhão de dados pessoais, 730 mil referiam-se à proibição de ingresso no espaço Schengen, 70 mil a pessoas procuradas e 23 mil referentes a pessoas que devem ser presas para ser expatriadas.

A Suíça registrou no sistema cerca de 1.200 pessoas procuradas com mandado de prisão e tem uma relação de 280 mil objetos procurados. A Secretaria Federal de Migração inseriu no SIS uma lista de 21 mil pessoas proibidas de entrar no país.

A Fedpol calcula que, com base nos registros suíços feitos no SIS, cerca de três mil casos poderão ser desvendados no exterior e que um número semelhante de casos será resolvido no país em função dos registros de ocorrência feitos no exterior.

Proteção aos dados?

Todo cidadão tem o direito e a possibilidade de perguntar se seu nome figura no SIS. As referidas solicitações têm de ser feitas por escrito à Fedpol.

O processamento dos dados é controlado por órgão de supervisão em nível europeu, diz Hanspeter Thür. Como encarregado do governo suíço para a proteção de dados, ele tem acesso às informações do SIS.

Thür não vê grandes problemas jurídicos, mas teme a provável escassez de pessoal das autoridades encarregadas da proteção de dados, que, na Suíça, é atribuição dos estados (cantões).

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 226 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal