Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

15/09/2006 - Revista Exame Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Camisaria Colombo é acusada de fraude e tem falência requerida

Por: Márcio Juliboni


A Camisaria Colombo teve sua falência requerida pela Bandeira Franco Publicidade, que também acusa a rede de roupas masculinas de atividades fraudulentas, com o objetivo de dificultar a cobrança de dívidas. Segundo levantamento do escritório Lessa Vergueiro Advogados, que representa a Bandeira Franco, há 138 protestos protocolados contra a empresa apenas na Justiça da capital paulista. Desde 2002, a camisaria teria deixado de pagar uma série de compromissos.

No caso da Bandeira Franco, o valor da causa é de 2,5 milhões de reais. Sua origem foi um empréstimo de 1 milhão de reais, feito por Bandeira Franco por meio de sua empresa, ao principal sócio da Colombo, Alvaro Jabour Maluf Filho em 2001. O dinheiro seria usado pela camisaria para equilibrar suas finanças, pois, na época, a empresa enfrentava dificuldades de caixa. Após tentativas de acordo amigável para recuperar o dinheiro, a Bandeira Franco decidiu acionar a rede judicialmente.

A agência de publicidade também acusa Maluf Filho de usar uma manobra fraudulenta, conhecida como "sucessão empresarial", para se esquivar da cobrança dos credores. A manobra consiste em transferir todos os ativos de uma empresa endividada para outra sadia.

No caso da Colombo, após acumular uma série de dívidas, Maluf Filho criou, em 2002, duas outras empresas – a ADM Comércio de Roupas e a Camisaria Colombo Franchising. A empresa original – Camisaria Colombo – cedeu, então, gratuitamente o direito de uso de sua marca à empresa de franquias, que a repassou para a ADM. A partir daí, as lojas em nome da antiga empresa, fundada em 1917, começaram a ser fechadas. Em seu endereço, ou em endereços próximos, eram abertas novas lojas, com a mesma marca, mas em nome da ADM.

"Quando uma empresa em dificuldades financeiras transfere seu patrimônio para outra saudável, é uma ação fraudulenta. É um modo de salvaguardar os bens de modo ilícito", afirma o advogado Guilherme Lessa Vergueiro, que representa a Bandeira Franco. Não há uma estimativa do total das dívidas da empresa.

Atualmente, as operações da ADM estão sólidas e contam com cerca de 100 lojas espalhadas por oito estados do país. Estima-se que seu patrimônio seja de, no mínimo, 100 milhões de reais. "A operação da ADM é lucrativa", diz Lessa. No comando da antiga empresa ficou o pai de Maluf Filho, Alvaro Jabour Maluf.

Em um curtíssimo comunicado à imprensa, de apenas duas linhas, a rede de roupas afirma que "a Colombo não reconhece nenhum débito com a Bandeira Franco Comunicação e Propaganda e informa que a discussão está sub judice em ação de processo de prestação de contas".

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 1633 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal