Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

15/09/2006 - O Dia Online Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Morte forjada teria custado R$ 10 mil no RJ


A falsa morte do ex-cabo da Aeronáutica Madi da Silva Gomes custou mais do que os R$ 2 mil e um computador pagos à Máfia dos Corpos pelo kit-enterro (cadáver, atestado de óbito e sepultamento).

Em depoimento prestado à Delegacia de Defraudações, na capital fluminense, o enteado do militar, João Mariano das Chagas Júnior, afirmou que um papa-defunto identificado como Bira Marques, vulgo "Gordo", teria recebido o seguro DPVAT que seria pago à família de Madi pela suposta morte por atropelamento. O valor do seguro é de cerca de R$ 10 mil.

IML será investigado
O papa-defunto teria servido de intermediário na negociação da fraude com o técnico de necropsia Alexandre dos Santos Vieira, que trabalhava no IML de Nova Iguaçu, na época da fraude, em dezembro de 2004. O corpo enterrado como se fosse o de Madi no Cemitério de Olinda, na Baixada Fluminense, é do biscateiro Germano Marco Brandão, que morreu atropelado na Via Dutra, em 9 de dezembro de 2004. O registro da morte de Madi foi feito 11 dias depois.

O técnico prestou depoimento na delegacia e negou participação na fraude. Segundo o delegado Fernando Villa Pouca, Vieira afirmou que realizava apenas trabalho burocrático no setor de óbitos e que a responsabilidade da identificação dos corpos seria do papiloscopista.

"Vamos pedir ao IML de Nova Iguaçu (RJ) que identifique o papiloscopista da época e chamá-lo para depor", afirma o delegado. Vieira comprovou não ser policial, mas funcionário terceirizado da Prefeitura de Nova Iguaçu, exonerado em 2005.

Policiais foram à funerária Nova Vida, em Nova Iguaçu, para identificar Bira, mas não conseguiram encontrá-lo. Ele foi intimado a depor, mas não compareceu. Madi teria recebido cerca de R$ 450 mil em seguros de vida e auxílio funeral. Ele está preso na Base Aérea do Galeão e responde a processos por falsidade ideológica, na 5ª Vara Criminal de Nova Iguaçu, e por lesão ao patrimônio das Forças Armadas, na Justiça Militar.

Militar deverá depor
No depoimento prestado no inquérito instaurado pela Aeronáutica, Madi também acusa Bira de ter intermediado a negociação da fraude com Vieira. O militar será reconvocado pela delegacia para depor. No Termo de Reconhecimento e Identificação de Cadáver 382/04 consta a assinatura de Vieira e uma rubrica de papiloscopista.

A identificação do cadáver só foi feita nove meses após o atropelamento, em investigações da 64ª DP (Vilar dos Teles). Somente em agosto, a mãe de Germano, a aposentada Maria Amélia Menezes Brandão, 70 anos, conseguiu receber a certidão de óbito do filho. Mas ficou sem o seguro DPVAT pela morte por atropelamento.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 543 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal