Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

12/08/2008 - Gazeta do Sul Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Doméstica quase cai no golpe do seqüestro

Por: Jansle Appel Junior


O golpe do seqüestro por pouco não fez mais uma vítima em Santa Cruz do Sul. Desta vez, o alvo foi uma empregada doméstica de 57 anos. Assustada e com medo de que possa ser abordada mais uma vez, ela pediu para não ter o nome divulgado.

Na manhã de ontem, quando já trabalhava na casa dos patrões, no Bairro Arroio Grande, ela atendeu o telefone da moradia. Era uma ligação a cobrar. Do outro lado da linha, um homem informava que havia tomado a filha dela como refém. “Tô com a tua filha aqui. Seqüestrei ela no banco e quero dinheiro”.

A vítima teve motivos para acreditar na história. No domingo, a filha da senhora tinha ido até o banco para sacar um benefício. Como era fim de semana, não conseguiu concluir a operação e deixou para passar novamente na agência nesta segunda-feira. O fato de o criminoso ter mencionado o estabelecimento convenceu a doméstica do outro lado da linha.

“Eu estava nervosa, acreditei. Ele disse também que estava com as duas crianças dela. E a minha filha tem dois mesmo, de seis meses e dois anos. Uma mulher falou comigo como se fosse ela e ao fundo tinha um choro de criança”, conta. O bandido queria R$ 20 mil como resgate, valor que a vítima afirmou ser impossível de pagar. “Eu ganho um salário. A gente é pobre, não tem nada. Nunca teria condições”.

O suposto seqüestrador insistiu e tentou usar a fragilidade emocional dela, arrancando mais informações. Mas acabou desistindo. “Eu disse a ele que estava se envolvendo com uma pessoa que não tinha nada para dar, nem o salário desse mês. Me mandou calar a boca e falou que estava cheio de tanto eu falar”.

CIDADE BAIXA

Ela só se convenceu de que se tratava de uma farsa depois que os patrões a alertaram e quando o criminoso perguntou se ela estava no Bairro Cidade Baixa, que fica em Porto Alegre. A vítima, que sofre de problemas cardíacos, precisou ser medicada na tarde de ontem. Ela só ficou mais calma depois que conseguiu ligar para a filha e confirmar que estava tudo bem. “Já acompanhei vários casos desse golpe do seqüestro pelas notícias, mas fiquei muito nervosa e o bandido foi convincente”.

A polícia acredita que na maioria dos casos os estelionatários telefonam sem realizar levantamentos preliminares. A estratégia é deixar a vítima confusa, por meio de um jogo psicológico de palavras e ameaças, que transmitem a nítida impressão de conhecerem a intimidade do interlocutor. A dificuldade em identificar tais bandidos se deve ao emprego, nos golpes, de linhas de celulares pré-pagos, registradas com nomes falsos no Rio de Janeiro e em São Paulo. Suspeita-se que presidiários destes estados sejam os autores do esquema.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 187 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal