Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

08/08/2008 - A Notícia - TO Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Cartão extraviado gera indenização


O juiz da 6ª Vara de Fazenda Pública do DF condenou o Banco de Brasília S/A a pagar R$ 26.500 reais por danos morais a uma cliente que teve dois cartões de crédito das bandeiras Visa e Mastercard extraviados. O valor da indenização corresponde a quarenta vezes o valor cobrado indevidamente pelo banco, de R$ 663,18.
Os cartões foram solicitados pela cliente em junho de 2005 e encaminhados a sua residência no dia 22. No dia 28, a correntista foi informada pelo porteiro que, quarenta minutos após a entrega, os cartões foram devolvidos a uma pessoa que se identificou como funcionário da transportadora responsável pelo serviço. De acordo com o porteiro, a pessoa explicou que a correspondência havia sido entregue na quadra errada, por isso deveria ser devolvida.

De posse dessas informações, a cliente fez ocorrência policial e a apresentou na agência bancária na qual é correntista junto com uma carta comunicando o fato. No entanto, dias depois recebeu faturas de despesas efetuadas com os cartões no valor de R$ 663,18. Novamente comunicou o fato ao banco, mas mesmo assim o valor foi debitado em sua conta corrente.O Banco alegou, por sua vez, não ter causado nenhum prejuízo à correntista já que o valor debitado foi estornado. Argumentou também a ilegitimidade passiva para estar nos autos, já que a responsável pela concessão dos cartões é a empresa Cartão BRB S/A, denunciada à lide. Sustentou não ter havido dano moral, prática de ato ilícito ou conduta culposa.

Na decisão, o juiz afirmou ter a cliente tomado todas as precauções para evitar o uso indevido dos cartões, o que não surtiu efeito algum junto à instituição financeira. De acordo com o magistrado, houve falha na prestação do serviço contratado, desde a entrega até o desbloqueio e uso dos cartões por terceiro.Ainda segundo a decisão, o débito das faturas representava à época mais de 37% da renda mensal da autora e foi estornado pelo banco sem qualquer acréscimo apenas treze dias depois. Quanto à ilegitimidade passiva argüida, o advogado Átila Nunes, coordenador do serviço Em Defesa do Consumidor. com. br, explicou que as duas empresas fazem parte do mesmo grupo econômico e por isso são solidárias nas responsabilidades.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 175 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal