Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

25/07/2008 - O Correio News Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Delegado paulista suspeito de lavar dinheiro com jóias tem cinco fazendas em Camapuã


O delegado Everardo Tanganelli Júnior, 56, atual diretor do Denarc (Departamento de Narcóticos de São Paulo) e suspeito de envolvimento em um esquema de lavagem de dinheiro com a compra e venda de jóias, é proprietário de cinco fazendas em Camapuã, município distante 140 quilômetros de Campo Grande. A informação está em reportagem do jornal Folha de São Paulo, edição de hoje. Uma das fazendas tem 2.401 hectares e a negociação foi o pivô para descobrir o esquema.

Tanganelli estava sendo investigado pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público de São Paulo) quando um fato chamou a atenção dos promotores: em sociedade com Bernardino Antonio Fanganielo, o delegado tentou pagar parte da dívida pela compra dessa última fazenda com esmeraldas.

Mas um juiz de Presidente Epitácio (655 km de SP) impediu o negócio e determinou que, caso as esmeraldas oferecidas por Tanganelli para amortizar R$ 500 mil da dívida fossem lícitas, que o delegado as vendesse e usasse o dinheiro para pagar a dívida. O salário de Tanganelli é de R$ 8 mil e seu patrimônio atual, segundo o Gaeco, está perto dos R$ 4,5 milhões.

A investigação envolve dois setores especializados da Polícia Civil de São Paulo, o Deic (departamento de roubos) e o Denarc, que somam 20 policiais. O Ministério Público Estadual suspeita que o grupo esteja envolvido em um milionário esquema de lavagem de dinheiro obtido com a prática de crimes com a compra de pedras preciosas, principalmente esmeraldas.

Além do Gaeco a Polícia Federal também tem informações de que policiais paulistas são suspeitos de negociar altos valores em pedras preciosas. Durante os últimos dois anos, o principal fornecedor de pedras preciosas para policiais do Deic e Denarc, de acordo com os levantamentos do Gaeco, seria o comerciante Edson Rodrigues dos Santos. Em depoimento ao Gaeco, Santos afirmou que seus principais clientes são policiais civis de São Paulo.

O Gaeco chegou até o comerciante de pedras preciosas depois de investigar o patrimônio do delegado Everardo Tanganelli Júnior, 56, atual diretor do Denarc. Santos sustentou aos promotores que o delegado Tanganelli foi seu principal cliente nos últimos anos e comprou dele pedras preciosas avaliadas entre R$ 1,5 milhão e R$ 2 milhões.

O Gaeco tem informações de que os investimentos de Tanganelli nas pedras preciosas não foram declarados à Receita Federal. Dentro do Deic, um policial civil identificado até agora pelo Gaeco apenas como Marcelo atua como intermediário para a venda das pedras preciosas para outros integrantes do departamento que, entre outras atribuições, tem a função de coibir a atuação do crime organizado.

A PF tentará descobrir se as pedras preciosas vendidas por Santos para os policiais civis do Deic e Denarc têm origem legal ou se elas foram extraídas de garimpos clandestinos nas regiões Centro-Oeste e Norte do Brasil ou até mesmo em países africanos em guerra. Ontem, a reportagem tentou localizar Santos, mas não conseguiu encontrá-lo em sua casa, localizada em um bairro da periferia da zona leste de SP.

Tanganelli passou a ser investigado pelo Ministério Público a partir de várias denúncias de possíveis irregularidades na Polícia Civil apontadas pelo também delegado Roberto Conde Guerra em seu blog (www.flitparasilante.blogspot.com), conforme revelou a Folha em julho de 2007. As suspeitas são as de que o atual chefe do Denarc tenha enriquecido ilicitamente e também tenha praticado lavagem de dinheiro, principalmente com a compra não declarada de pedras preciosas.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 682 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal