Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

25/07/2008 - G1 Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Promotoria investiga fraudes na transferência de títulos para Goiás


A Promotoria Eleitoral investiga supostas fraudes na transferência de milhares de títulos de eleitores do Distrito Federal para o Entorno, região que fica entre Brasília e Goiás, que realizará eleições em outubro (no DF não há eleições municipais).

Entre as 20 cidades do Entorno, Águas Lindas de Goiás foi a que mais recebeu eleitores transferidos, totalizando 3.396. Em segundo lugar aparece Valparaíso (GO), com 1.467, e em terceiro Luziânia (GO), com 1.360.

O promotor eleitoral de Águas Lindas, João Paulo Oliveira, afirma que bastam duas declarações falsas de escolaridade emitidas por uma secretária de uma escola municipal para conseguir a transferência eleitoral.

A equipe do DFTV 2ª Edição procurou a secretária Wanessa Souza de Lima, que disse ter feito um favor para uma amiga. “A pessoa é minha conhecida. Ela me pediu para que eu fizesse as declarações que levaria os documentos necessários depois. Acreditei nela e fiz. Mas não ganhei nada por isso, foi por amizade mesmo”.

Wanessa vai responder na Justiça por falsidade ideológica, assim como os eleitores. “Quem insere declaração falsa, seja para transferir o título ou para qualquer outro fim, vai responder por falsidade ideológica, além de perder o título”, explica o promotor.

Os moradores da cidade desconfiam. “Se a pessoa mora em outro lugar, ela não vai saber as necessidades da nossa cidade. Então, vai votar em qualquer um candidato que pedir. Isso não vai adiantar, não vai mudar nada”, reclama estudante Ana Cristina da Silva.

“Quem tem que decidir são as pessoas que moram na cidade, que pensam num futuro melhor. Quem é de fora só ajuda os políticos mal-intencionados”, diz o motorista Edmilson Siqueira.

“Tem gente que vende um voto por causa de um quilo de feijão”, enfatiza o aposentado Aderaldo Batista dos Reis.

“Eu acho que eles dão alguma propina para estas pessoas, como R$ 10 ou uma cesta básica”, revela o chaveiro Vagnon dos Santos.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 215 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal