Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

16/07/2008 - Jornal Pequeno Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

PF prende coordenador de escola por estelionato


Agentes da Polícia Federal (PF), sob o comando do delegado Alan Dantas, prenderam, na manhã de ontem, o professor Paulo Fernandes Torres, coordenador/pedagógico do Centro de Educação Internacional-CEI-COC-São Luís, colégio de ensino médio da capital. Torres foi preso na porta da escola, acusado de crime de estelionato. A escola, por sua vez, afastou o diretor imediatamente.

O mandado de prisão contra Torres foi expedido pela Justiça Federal do Pará, sob a acusação de estelionato (Artigo 171 do CPB). Informações da Polícia Federal dão conta de que o acusado responderia a oito processos por estelionato em Rondônia; oito também no Amazonas, além de outros mandados de prisão por crimes tipificados no mesmo artigo (171) nos estados do Pará, São Paulo e Mato Grosso.

Segundo o delegado Alan Dias, o crime praticado por Torres consistia em pesquisar empresas em estado de falência e alienar seus bens de forma que a União não conseguisse cobrar tributos atrasados através de penhora. “Ele aliena os bens das empresas em estado de falência frustrando o pagamento de tributos federais e contribuições previdenciárias”, declarou o delegado, sem saber informar se o coordenador do CEI-COC estaria aplicando o mesmo golpe em São Luís. “Não temos os detalhes dessa investigação, porque ela foi efetuada pelos colegas do Estado do Pará, para cuja capital, Belém, o acusado será transferido”, disse o delegado federal.

Escola afasta o acusado - A diretoria do CEI-COC distribuiu nota à imprensa esclarecendo que não tinha conhecimento das acusações contra o professor Paulo Fernando Torres, coordenador pedagógico da escola e conclui informando que ele foi afastado de suas funções até a conclusão das investigações. Veja, abaixo, a íntegra da nota:

“O Centro de Educação Internacional (CEI-COC) informa que não tem qualquer responsabilidade sobre supostos atos de irregularidade praticados pelo professor Paulo Fernandes Torres, preso em ação da Polícia Federal na manhã de terça-feira (ontem), dia 15 de julho.

A direção da escola desconhecia o teor das denúncias contra o professor e, tão logo tomou conhecimento da ação policial, determinou o seu imediato afastamento das funções pedagógicas, até que sejam concluídas as investigações policiais sobre o caso e encerrado o respectivo pronunciamento da Justiça.

O CEI-COC é uma instituição respeitada, de tradição reconhecida, ciosa de suas responsabilidades com o ensino de qualidade e com a ética, e que prima pela boa reputação de seus alunos, funcionários, professores e colaboradores.”

A Diretoria.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 919 vezes




Comentários


Autor e data do comentário: Paulo Fernandes Torres - 12/12/2015 11:22

São Luís, 27 de outubro de 2015.

Prezado Diretor de Redação do Monitor das Fraudes,

Chamo-me Paulo Fernandes Torres e em dado período de minha vida profissional tomei decisões difíceis que culminaram em momentos catastróficos para mim e para minha família.
No ano de 2000 foi instaurado, sem o meu conhecimento inquérito policial que deu origem ao processo criminal nº 200.3087-9 no Estado do Pará, sob a acusação de apropriação indébita previdenciária (art. 168-A, CPB). Naqueles autos, fui condenado à revelia, com aplicação de pena de 3 anos e 4 meses de reclusão em regime aberto e multa de 50 dias.
Perceba que a pena a ser aplicada era a de regime aberto, no entanto, como eu era revel e não me apresentei para o cumprimento da pena foi expedido mandado de prisão em meu nome.
Num de completo horror, meu, de minha família e dos meus colegas de trabalho fui preso, tendo o delegado da Polícia Federal há época efetuado a prisão com muito alarde e estardalhaço, o que até hoje não entendi.
Enfim, após passar por momentos terríveis, deu-se seguimento ao processo e a pena inicial foi substituída por pena de prestação de serviço à comunidade. Informo, inclusive, que a pena já foi integralmente cumprida (Asilo de Mendicidade de São Luís).
Ocorre Ilustríssimo Diretor, que naquela época foi noticiado pela impressa local que minha prisão se devia ao cometimento de crime de estelionato, o que não é o caso. De toda sorte, a veiculação de tal notícia naquela época era plausível e aceitável vez que a impressa estava cumprindo seu papel de informar, direito garantido na Constituição Federal e que prezo e respeito. Embora as informações repassadas à impressa não correspondessem à realidade dos fatos, ainda assim sempre acatei o direito à informação e o dever de divulgação.
Destarte já terem se passado muitos anos, independente do teor da notícia veiculada, a pena já se encontra cumprida, ou seja, qualquer dívida minha para com a sociedade no que diz respeito a esse tema já foi dirimido.
A nota, no entanto, continua acessível on line, tornando impossível qualquer tentativa de reconstrução de vida, principalmente no âmbito profissional (http://www.fraudes.org/clipread.asp?CdClip 6208).
Recentemente, Senhor Diretor, o nosso Superior Tribunal de Justiça reconheceu, em julgamento, o que chamou de direito ao esquecimento (REsp 1.335.153-RJ e REsp 1.334.097-RJ).
Dado à relevância do tema, por envolver a dignidade da pessoa humana, foi aprovado também o enunciado 531 na VI Jornada de Direito Civil: “A tutela da dignidade da pessoa humana na sociedade da informação inclui o direito ao esquecimento”. E é exatamente esse direito que venho, por meio desta, lhe pedir.
A notícia que aparece em primeiro lugar quando realizada qualquer pesquisa em meu nome não mais possui interesse público – até porque qualquer empregador tem acesso à meu histórico processual – ou seja, a nota somente faz causar constrangimentos a mim e à minha família que tanto vem sofrendo desde o ocorrido.
O Jurista e Filósofo Francês François Ost, ao definir o direito ao esquecimento, escreveu:
Uma vez que, personagem pública ou não, fomos lançados diante da cena e colocados sob os projetores da atualidade – muitas vezes, é preciso dizer, uma atualidade penal –, temos o direito, depois de determinado tempo, de sermos deixados em paz e recais no esquecimento e no anonimato, do qual jamais queríamos ter saído. (OST, François. O Tempo do Direito. Trad. Élcio Fernandes. Bauru: Edusc, 2005, p. 160).
Senhor Diretor, em consequência de meus próprios atos (seja por ação ou omissão – já não importa mais) minha vida profissional e acadêmica jamais será recuperada.
Contudo, ainda ouso sonhar em ter de volta dignidade e honra. Sonho em ser esquecido (pelo menos on line), ouso sonhar que meus filhos não mais enfrentem tal constrangimento, que os novos amigos que fizer pelo caminho não me interroguem sobre algo que não fiz, mas que surge como notícia, no topo de qualquer pesquisa (http://www.fraudes.org/clipread.asp?CdClip 6208).
Como dito, pelo que fiz já paguei minha dívida com a sociedade, não havendo mais qualquer interesse público no ocorrido que não possa ser sanado pelas vias administrativas, e não havendo nenhum motivo a justificar a permanência tão prejudicial daquela notícia on line lhe solicito, respeitosamente e suplicantemente a retirada daquele material. Cometi erros, mas não sou, nem nunca fui estelionatário.
Ao ler esse pedido o Senhor estará operando um ato de extrema solidariedade com quem tenta recomeçar a vida. Ao atender minha solicitação estará, de fato, me dando o direito de recomeçá-la, demonstrando ato de compaixão e cidadania.
De qualquer forma, agradeço imensamente a atenção e espero comovê-lo com minha história.

Paulo Fernandes Torres
Direito ao Esquecimento
O debate sobre o tema acalorou-se no mês de maio de 2014, quando o Tribunal de Justiça da União Européia julgou procedente o pedido de um cidadão espanhol que desejava exclusão dos links mostrados nas buscas na internet, que vinculavam seu nome à um fato depreciativo e equivocado do seu passado distante.
De tão comuns e habituais que se tornaram as buscas na internet, a prática substitui em alguns momentos a própria faculdade do indivíduo de raciocinar ou de autodeterminar-se acerca de um assunto. É mais fácil procurar no Google… Por isso a preocupação internacional quanto ao conteúdo que pode ser mostrado nas buscas pela internet.
Muito desse material remete o usuário à um passado que revela fatos ofensivos à honra, à imagem e à intimidade de algumas pessoas, que não possuem o menor interesse da lembrança de tais referências, pelo contrário, querem que seus nomes sejam esquecidos. Aqui se inicia a construção do direito: seria digno forçar uma pessoa a conviver com um erro do seu passado? Ou uma família com um erro dos seus antepassados?
Essa é a idéia do direito ao esquecimento. Derivado de um fundamento maior, a dignidade da pessoa humana, fortalece-se como medida de proteção da personalidade, evitando que a eternização da informação, especialmente as difamatórias, possam gerar danos morais e psicológicos constantes aos envolvidos na notícia. Ainda mais quando versar sobre um crime, cujo réu foi absolvido, cumpriu sua pena ou até mesmo que vítima não queira mais ser lembrada.
A questão ganha contornos polêmicos quando é ponderada com direitos consagrados como a liberdade de expressão e de imprensa. Obrigar a retirada de uma notícia verdadeira, sob o argumento de que ocorreu há muitos anos e de que os envolvidos não querem que ela volte à tona, não seria censura? Não estaríamos atribuindo prazo prescricional à história? É o que pensam os que criticam o direito ao esquecimento? O tempo seria capaz de transformar uma notícia histórica lícita em ilícita?
O equilíbrio entre os direitos individuais não é injusto pra nenhum dos lados. Há quem tenha o interesse e o direito de relembrar, mas há também quem tenha o interesse em se fazer esquecido. Por isso afirmamos que o que vai legitimar a lembrança dos fatos é o seu interesse público ou a necessidade histórica do fato, que deverão ser analisados isoladamente, sem que se arrepiem os cabelos com medo da censura.
O controle da informação sempre existiu, e permanece em tempos democráticos. Não há direito absoluto. Nem à vida é absoluto. Por que a liberdade e imprensa haveria de ser? Na Era da Informação, onde a velocidade de propagação das notícias torna praticamente impossível seu controle, os danos causados por uma ofensa são irreversíveis e sem um equivalente pecuniário indenizatório. Por isso devemos reacender o debate sobre equilíbrio entre imprensa e privacidade na Sociedade da Informação.
Com o incremento da internet os danos se tornam ainda maiores. Muitas vezes, quando se objetiva a retirada do conteúdo on line, ele já se espalhou em milhares de outros links em sites, redes sociais, aplicativos de mensagens etc. É o que se convencionou chamar Streisand Effect, em referência ao caso da atriz norte americana Barbra Streisand, que teve suas fotos publicadas por um fotógrafo, e quando conseguiu judicialmente que as fotos fossem retiradas do site, foram popularizadas na internet e publicadas em diversos outros sites de relacionamento.
A ideia do Direito ao esquecimento pode ter surgido em 1931 no julgamento do caso Mervin versus Reid nos Estados Unidos, quando a justiça impediu a publicação da biografia de uma ex prostituta injustamente acusada de homicídio, absolvida em 1918.
No caso que mencionamos no início do texto, julgado pelo Tribunal Europeu em maio, o Google foi obrigado a retirar o vínculo entre o nome do espanhol Mario González e uma notícia veiculada pelo jornal La Vanguardia em 1998, relatando que a casa deste sujeito estava indo à leilão por dívidas fiscais. No pedido ele informou que a dívida foi quitada, logo ele não chegou a perder o imóvel, e queria proteger seus dados íntimos e pessoais, especialmente os inverídicos, dos resultados dos sites de busca.
No Brasil temos alguns casos relevantes sobre a proteção de dados e direito ao esquecimento. Um dos principais é o da apresentadora Xuxa (Maria da Graça Meneghel), que luta na justiça pela retirada da ligação do seu nome com as buscas pelas palavras “pornografia”, “pedofilia” e “sexo”, espalhadas por diversos links na internet em razão do filme que gravou em 1982, onde protagoniza uma cena de sexo com um garoto de 12 anos de idade, Marcelo Ribeiro, que deixou de ser professor para tornar-se ator pornô aos 38 anos.
O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro chegou a julgar procedente o pedido da apresentadora contra a empresa Google, atribuindo multa de 20 mil reais para cada link, porém, o Superior Tribunal de Justiça reformou a decisão afirmando que a empresa não é responsável pela produção e divulgação do conteúdo, cumpre apenas o papel de ferramenta de pesquisa, organizando os resultados. (Será?)
A decisão foi em 2012 e agora aguarda posicionamento do Supremo Tribunal Federal.
Em 2013, o STJ reconheceu o Direito ao Esquecimento, mas em um caso um pouco diferente. Um homem absolvido pela acusação de ter participado da Chacina da Candelária, apesar de ter recusado entrevista à reportagem da TV GLOBO, o programa foi ao ar apontando-o como envolvido no crime, mas que havia sido absolvido pela justiça. O STJ reconheceu que ele tinha o direito de ser esquecido, especialmente por ser inocente, que a lembrança do seu nome vinculado ao fato gerou danos morais, por isso condenou a TV a pagar o valor de 50 mil reais. (RECURSO ESPECIAL Nº 1.334.097 -RJ)
No mesmo período, outro caso nesse sentido chegou ao STJ. Familiares de Aída Curi (vítima de um crime sexual bárbaro em 1958) buscaram indenização contra a Globo pela reportagem do programa linha direta quase 60 anos após o fato, que, de acordo com a família, trouxe de volta sentimentos de angústia e revolta. Os ministros, apesar de considerarem o sofrimento da família, decidiram que o tempo se encarregou de tirar o fato da memória do povo e abrandar seu efeito na honra dos familiares vivos. (RECURSO ESPECIAL Nº 1.335.153 -RJ)
O Ministro Luis Felipe Salomão, relator dos recursos especiais que levaram a questão ao tribunal superior, afirmou que “não se pode, pois, nestes casos, permitir a eternização da informação. Especificamente no que concerne ao confronto entre o direito de informação e o direito ao esquecimento dos condenados e dos absolvidos em processo criminal, a doutrina não vacila em dar prevalência, em regra, ao último”.
Aos poucos a jurisprudência nacional vai se concretizando sobre o tema. Parte da doutrina civilista já se manifestou a favor do reconhecimento do direito, conforme se percebe no enunciado 531 editado na VI Jornada de Direito Civil do Conselho da Justiça Federal com a seguinte redação: “A Tutela da Dignidade Humana na Sociedade da Informação inclui o Direito ao Esquecimento”. O texto não vincula os tribunais, é apenas uma orientação doutrinária baseada no Código Civil, ressaltando como um dos direitos da personalidade a ideia de que ninguém é obrigado a conviver pra sempre com problemas do passado.
Importante mencionar que antes disso já tínhamos excelentes defesas doutrinárias, como as dos professores Rene Ariel Dotti (Proteção da Vida Privada e Liberdade de Informação) e Paulo José da Costa Jr. (Direito de Estar só) que sempre acreditaram na necessidade humana de proteger seus dados pessoais e vida privada.
Na Europa, seguindo a decisão do Tribunal, o Google criou um formulário on line acessível a todos (europeus) que tenham interesse na remoção de links. Com a ferramenta, os interessados poderão informar o endereço do conteúdo que pretendem remover (URL), seu país de origem e uma fundamentação para seu pedido. Em poucos dias a empresa já recebeu mais de 12 mil requerimentos.
O elevado número talvez seja um termômetro sobre a vontade da população européia, quiça mundial. No Brasil também há muitas pessoas querendo ser esquecidas, na internet e fora dela. A decisão do Tribunal Europeu certamente influenciará as decisões no Brasil, pelo menos é o que esperamos. O respeito a dignidade humana deve prevalecer em todos os casos. Esse sim é absoluto. Essa é a hora que alguém pergunta, mas você não acabou de dizer que nenhum direito é absoluto? Sim. Mas a dignidade humana não é direito, nem princípio, é, de acordo com o artigo 1º da Constituição Federal da República Federativa do Brasil, fundamento do Estado Democrático de Direito. Ou seja, deve prevalecer em caso de conflito com um direito fundamental, inclusive o de imprensa e de expressão.
Sendo assim, consideramos que em casos como o da apresentadora Xuxa, onde está evidente o sofrimento e o arrependimento provocado pelo fato ocorrido num contexto social diferente do atual, devem ser deferidos os pedidos de esquecimento.
Posto isto, deixamos como sugestão dois requisitos para se reconhecer o Direito de ser esquecido: a) Avaliar se a notícia é de interesse coletivo ou uma necessidade histórica b) Avaliar se a lembrança de fato pretérito ofende a dignidade da pessoa envolvida.
Aproveitamos para reforçar nossa tese de que regras envolvendo a internet, como a que obriga a retirada desses links, devem ser postas em documento de valor internacional, com orientações uniformes e universais, unificando normas de cooperação entre os países, promovendo as liberdades constitucionais e os direitos humanos informacionais, mas facilitando denúncias e pedidos de controle de conteúdo, em homenagem à dignidade da pessoa humana.


Autor e data do comentário: Paulo Fernandes Torres - 10/12/2015 12:47

Informo à quem interessar possa, que o inquérito ao qual respondi por essa prisão é o de número: 2000.3087-9PA, no qual cumpri pena de 3 anos e 4 meses, refere-se à apropriação indébita de INSS, ref. a minha quebrada na cidade de Tucurui no PA. Essa informções sobre Fraudes são equivocadas. Já solicitei através de carta a esse Orgão, porém ainda não respondeu. Não nego meu crime, mas pergunto, qtos empresários estão vivendo a mesma situação, ou seja descontando do INSS do funcionário, mas não pagando o INSS.



O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal