Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

15/07/2008 - Reuters Brasil Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Dados bancários roubados ficam mais baratos na Web

Por: Mark Trevelyan


LONDRES (Reuters) - Os preços cobrados pelos cibercriminosos que vendem detalhes bancários e de cartões de crédito roubados caíram acentuadamente, à medida que cresce o volume de informações em oferta. A baixa dos preços força os bandidos a procurar por outras maneiras de reforçarem suas receitas.

Pesquisadores da Finjan, uma empresa de segurança na Web, disseram que os altos volumes negociados fizeram com que as informações sobre bancos e cartões de créditos se tornassem "commodities" -detalhes sobre identificações bancárias que no passado chegavam a valer 100 dólares ou mais agora são vendidos por entre 10 e 20 dólares.

Em sua mais recente pesquisa trimestral de tendências na Web, a empresa sediada na Califórnia afirmou que o cibercrime evoluiu e se tornou "uma economia paralela importante, governada por regras e lógica empresarial que se assemelham bastante às do mundo dos negócios legítimos".

Yuval Ben-Itzhak, vice-presidente de tecnologia da Finjan, em Israel, afirmou em entrevista por telefone que novos tipos de dados roubados vinham obtendo ágio, recentemente, como informações sobre produtos e serviços de saúde patenteados que podem ser usadas em fraudes de seguros ou para adquirir e vender medicamentos ilicitamente.

Outros dados vendidos com ágio incluem informações de negócios, arquivos de pessoal de empresas e emails comerciais interceptados.

O relatório da Finjan, baseado em parte em contatos que a empresa estabeleceu com cinco grupos que comerciam dados roubados online, descreve uma hierarquia criminosa semelhante à da máfia, na qual os líderes operam como empresários e geralmente deixam os ataques online aos subordinados.

Um "vice-líder", ou segundo em comando, fornece o software de cavalo de tróia usado para lançar os ataques. Os subordinados que os executam são pagos de acordo com o número de infecções promovidas e com o país de origem dos computadores infectados.

"Revendedores" colocam os dados financeiros roubados à venda, posteriormente, da mesma maneira que um receptador comercia com objetos roubados.

Em conversas online com revendedores, pesquisadores da Finjan receberam ofertas de dados roubados em forma de cardápio, com os cartões de crédito corporativos, ouro e platina obtendo os maiores preços.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 321 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal