Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

11/07/2008 - Folha de São Paulo Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Funcionário da Subprefeitura da Mooca liderava máfia, diz polícia


Dois funcionários da Subprefeitura da Mooca são apontados pela Polícia Civil como líderes de uma máfia de cobrança de propina de camelôs de São Paulo. O esquema foi desmontado em uma operação realizada nesta sexta-feira. Onze pessoas estão presas. Duas estão foragidas. O Ministério Público estima que o grupo movimentasse R$ 500 mil por mês.

Segundo a Polícia Civil, o líder da máfia era Georges Marcelo Eivazian, assistente técnico da Coordenadoria de Planejamento e Desenvolvimento Urbano da subprefeitura. Ele atuava, de acordo com as apurações, ao lado do irmão, Felipe Eivazian. Georges trabalha na gerência de unidades de fiscalização, e Felipe é chefe de uma dessas unidades.

Pelo menos outros três suspeitos também são funcionários da Subprefeitura da Mooca. Eles foram identificados como Edson Alves Mosqueira, Ronaldo Correia da Silva e Nilson Alves de Abreu e, conforme a subprefeitura, são agentes de apoio à fiscalização.

O advogado Leandro Giannasi Severino Ferreira é outro suspeito. Segundo a Polícia Civil, ele advogava em favor de Georges. Ferreira foi candidato a deputado estadual por São Paulo em 2002 pelo PL. O cadastro de Ferreira na OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) não possui um telefone de contato e o número de um escritório de advocacia indicado por ele em seu perfil do Orkut não responde.

Informações preliminares sobre a denúncia do Ministério Público que levou à operação desta sexta indicam que o esquema atingia ambulantes do Brás e da Mooca. Os pedidos de prisão teriam sido formulados a partir de escutas telefônicas.

Mais cedo, a Secretaria Municipal de Coordenação das Subprefeituras informou, em nota, que ainda não havia sido notificada sobre as denúncias, mas que qualquer suspeita "será investigada com rigor para que os fatos sejam esclarecidos".

Histórico

Não seria a primeira vez que uma máfia recolhe propina dos ambulantes de São Paulo. Na gestão Celso Pitta (1996-2000), um escândalo revelou um esquema de cobrança a camelôs da região da Lapa (zona oeste de SP). Segundo a acusação, os fiscais pediam de R$ 700 a R$ 1.000 para emitir protocolos de permissão da atividade de ambulante naquele bairro. O esquema teria movimentado R$ 436 milhões.

Durante as investigações, foram presos os ex-vereadores Vicente Viscome, Hanna Garib e Maria Helena. Viscome teve a pena de 16 anos extinta a mando da Justiça, em 2007.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 281 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal