Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

09/07/2008 - Alagoas 24 horas Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Delegado fecha o cerco contra falsificação de documentos

Por: Danielle Silva


A prisão de duas pessoas, nesta semana, por falsidade ideológica no Instituto de Identificação de Maceió é mais um alerta à sociedade alagoana sobre as penalidades para quem falsifica documentos. O diretor do Instituto de Identificação, Kelman Vieira, garante que nenhum crime ficará impune.

O delegado conta que até pouco tempo quando os papiloscopistas detectavam uma falsificação nos documentos apresentados, apenas se negavam a retirar o Registro Geral (RG). “Desde que eu entrei no Instituto tenho observado a frequência desses casos. Se antes os diretores não tinham a visão do ilícito penal, hoje eu garanto que nenhum desses casos ficará impune”, disse Vieira.

O diretor do Instituto tem encaminhado os casos de flagrante à Delegacia mais próxima ao Instituto para ser investigado pelo delegado titular. Entretanto, casos de falsificação detectados em registro de nascimento, ou outros casos em que o cartório possa estar envolvido, serão encaminhados à delegacia municipal.

Nesta quarta-feira, 9, a dona-de-casa Ana Rosa dos Santos, 32, foi presa acusada de tentar retirar o RG com nome falso. Ao ser flagrada, Ana Rosa disse que fraudou o documento por não gostar do seu nome, que mudou – por conta própria – para Paula. Ana Rosa tentava ‘oficializar’ a fraude retirando a 2ª via do RG com o nome de Ana Paula dos Santos

O delegado reconhece que há casos em que os falsificadores são pessoas que não acreditam haver problema em modificar os documentos, como ocorreu com Ana Rosa, mas somente uma investigação policial e a Justiça poderão ausentar os acusados da responsabilidade.

“Para mim as razões são indiferentes. A partir do momento em que há falsificação, há crime e o indivíduo será autuado da mesma forma. Se a Justiça entender que não há intenção, ele pode ser liberado. Mas em termos de inquérito a Polícia não pode deixar de apurar”, concluiu.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 264 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal