Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

10/06/2008 - Diário da Serra Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Quadrilha ligada a Arcanjo desviou meio bilhão em Brasília, diz reportagem da revista Veja


O mafioso João Arcanjo Ribeiro, conhecido como Comendador Arcanjo, está preso há cinco anos, acusado de crimes que vão de corrupção a assassinato. Investigações da Polícia Federal e do Ministério Público revelam que, mesmo atrás das grades, ele continua no comando de ações criminosas em Mato Grosso e no Distrito Federal.
Documentos apreendidos mostram que o Comendador Arcanjo ajudou a financiar a campanha do ex-governador e ex-senador Joaquim Roriz. Em contrapartida, foi agraciado com contratos milionários na área de prestação de serviços de informática – superfaturados. Os desvios podem chegar a meio bilhão de reais.
As ações de Arcanjo não respeitam fronteiras, nem a alternância de poder conseguiu detê-las. As apurações mostram que a quadrilha começou agindo no governo Roriz e, espantosamente, permanece ativa na atual administração, a do democrata José Roberto Arruda, que sucedeu a Roriz com um discurso de moralidade e eficiência administrativa.
O epicentro das investigações localiza-se na empresa Sapiens Tecnologia, cujo dono, Messias Ribeiro, é um ex-bicheiro amigo de Arcanjo. A PF apreendeu na casa dele, em 2004, documentos que comprovam sua ligação com o chefe de quadrilha preso. Apreendeu também recibos e anotações que indicariam o oferecimento de propinas dadas a políticos locais em troca de negócios com o governo.
Uma das anotações faz referência a um pagamento de 500.000 dólares ao ex-governador Joaquim Roriz. Em outro documento, há uma anotação que a polícia entendeu ser a explicação para o pagamento: "O governador me disse que vai atender tudo", escreveu a mão Messias, em fax enviado a um assessor de Arcanjo.
O operador avançado da quadrilha na administração do Distrito Federal, segundo as investigações, era Durval Barbosa, um delegado de polícia aposentado, responsável pela maioria dos contratos superfaturados assinados com a Sapiens.
Durval Barbosa é o elo entre a administração Roriz e a atual, de José Roberto Arruda. Barbosa é secretário de Relações Institucionais de Arruda, e a Sapiens, como se nada houvesse contra ela, continua se candidatando a novos negócios no governo local.
Os promotores apuraram que a empresa poderia até ganhar um milionário contrato para instalar um sistema de monitoramento nas ruas da capital. Por meio de sua assessoria, o governador Arruda disse que seria "injusto" demitir seu secretário até que o processo seja julgado.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 236 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal