Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

26/05/2008 - O Estado de São Paulo / Ag. Estado Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

WE, prostíbulo e reduto do grupo, girou R$ 10 milhões

Por: Roberto Almeida e Fausto Macedo


O prostíbulo WE Original, localizado em São Paulo e de propriedade de Manuel Fernandes de Bastos Filho, o Maneco, teve movimentação superior a R$ 10 milhões em 2006, de acordo com planilha apreendida pela Polícia Federal. Segundo os federais, "a casa noturna era utilizada para ocultação e lavagem de dinheiro proveniente de outras atividades ilícitas" e fazia parte do "Esquema BNDES".

"Em uma de suas conversas com Celso (Celso de Jesus Murad), gerente financeiro, (Maneco) pede a este que deposite o dinheiro do ?Esquema do BNDES? nas contas da casa", reforça o relatório.

A contabilidade da WE tornou-se foco das investigações quando os federais perceberam nomes de personagens envolvidos na trama, em especial de um assessor e amigo do deputado Paulinho da Força, João Pedro de Moura. Eles encontraram pagamentos de passagens aéreas de Moura com destino a Brasília, onde circulava por gabinetes da Câmara, e até o pagamento do IPTU de seu apartamento.

Há também no livro-caixa da casa noturna registro para os nomes de Alberto Mourão (PSDB), prefeito de Praia Grande, e de um assessor dele, Jamil Issa Filho. Eles negam ser beneficiários do esquema.

Em outra planilha apreendida pelos federais, o movimento de caixa do dia 16 de novembro do ano passado aponta que a WE chegou a pagar passagens aéreas para o secretário de Obras da Prefeitura de Praia Grande, que tem financiamento do BNDES sob suspeita.

TRÁFICO DE MULHERES

A investigação da Operação Santa Tereza, deflagrada em 24 de abril, começou exatamente na WE Original.

Os federais suspeitavam de tráfico de mulheres e descobriram, por meio de grampos, que o proprietário da casa, Maneco, fazia supostas tratativas para desvios de recursos do BNDES.

Segundo a PF, "as provas são claras e contundentes" de que há associação entre a WE e os financiamentos do BNDES para as Lojas Marisa e à Prefeitura de Praia Grande.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 218 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal