Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

01/05/2008 - O Estado de São Paulo / Ag. Estado Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Acusados negam ligação com esquema de fraudes


O deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), que é citado na investigação da Polícia Federal e foi filmado saindo de seu gabinete com seu ex-assessor João Pedro de Moura, não responde desde domingo aos telefonemas do Estado. O advogado de Moura informou que seu cliente só vai depor na Justiça.

O líder do PMDB na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN), disse que não sabia do contato entre Moura e seu assessor Wellington Ferreira da Costa, que confirmou a visita dele a seu gabinete. O vice-presidente do PDT de São Paulo, José Gaspar, não foi localizado para justificar a citação de seu nome no relatório da PF.

O advogado Ricardo Tosto nega participação no esquema, assim como os defensores dos empresários Marcos Mantovani e Boris Timoner. A Prefeitura de Praia Grande nega irregularidades no empréstimo obtido no BNDES ou a participação do prefeito Alberto Mourão (PSDB) no esquema. Atribui eventual irregularidade ao assessor Jamil Issa Filho, preso na Operação Santa Tereza. Segundo a defesa de Issa Filho, ele depôs na PF e negou participação.

A empresas Lojas Marisa, em nota, nega envolvimento e afirma que as investigações são sobre Timoner, que lhe presta serviços e não é executivo da empresa. O advogado de Manuel Fernandes de Bastos Filho, Luiz Fernando Pacheco, disse que seu cliente não recebeu nenhuma obra licitada com financiamento do BNDES e ainda não se apresentou porque a Justiça não apreciou o pedido de reconsideração da prisão.

Iniciada há cinco meses, a Operação Santa Tereza descobriu que a organização estava infiltrada em instituições federais, ministérios e prefeituras de pelo menos cinco Estados. As escutas que a PF realizou, com autorização judicial, captaram diálogos dos principais integrantes do grupo com servidores de escalões diversos. Essas conversas indicam que Moura é o alvo maior da operação. Ex-conselheiro do BNDES, ele agia com desenvoltura na Câmara, em Brasília, e na sede do banco, no Rio, sempre falando em cifras milionárias.

Seguido por agentes federais, Moura foi filmado em São Paulo, Rio, Brasília e Campinas e flagrado nos corredores da Câmara, com uma mochila, nos gabinetes de Alves e de Paulinho. No Rio, reuniu-se no BNDES com seu sucessor no Conselho Administrativo. Nos grampos, foi pego tratando tanto do esquema do BNDES quanto dos projetos das Cidades - ministério com o maior aporte de dinheiro do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), uma das bandeiras do governo Lula.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 280 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal