Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

20/04/2008 - Diário de Natal Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Crime virtual sobe 1.448% no país

Por: Viktor Vidal


Os crimes praticados no ambiente da internet podem ser considerados pequenos no Rio Grande do Norte - no mínimo, pouco se sabe em estatística. Mas na era digital isso é mais freqüente do que se imagina. Apesar da falta de registro das ocorrências em si, a quantidade de prisões relacionadas com crimes cibernéticos no país revela um crescimento assutador nos últimos três anos.

Segundo o Instituto Nacional de Criminalística da Polícia Federal, as primeiras detenções ocorreram em 2001, com 25 casos. No ano seguinte, baixou para 12. Mas de 2003 a 2006, o aumento foi considerável: 54, 77, 205 e 362 prisões, respectivamente. Uma subida de 1.448% de 2001 para 2006. Isso é reflexo, também, de uma maior qualificação e investimentos que a Polícia Federal vem fazendo para combater esses crimes.

As informações foram adquiridas com exclusividade pelo Diário de Natal com o perito criminal federal Helvio Pereira Peixoto, Ph.D. em perícia em informática que está contribuindo com a CPI da Pedofilia no Senado. Segundo ele, os números relacionados a crimes na internet ainda são bastante escassos, principalmente no que se refere a fraudes bancárias, crime mais comum no país.

Ele explica que existem duas formas de crimes cibernéticos: usar a internet como meio para praticar uma forma comum de crime; e utilizar a tecnologia para fazer delitos que só podem ser efetuados dentro do ambiente da rede mundial de computadores. ‘‘No Brasil, o mais comum são as fraudes bancárias, mas o número é preservado até como forma das instituições prevenirem mais ocorrências.’’

Peixoto diz que a PF está bem qualificada e aparelhada para combater esse tipo crime, mas precisa de um maior efetivo. ‘‘Muita gente está aposentada’’, afirma, lembrando que para qualificar um perito em informática, além da prova, a PF submete o candidato a quatro meses e meio de internato no curso de formação. A sede do Serviço de Perícia em Informática fica em Brasília.

MASHKOV

O caso mais conhecido de crime cibernético no Rio Grande do Norte aconteceu em meados de 2007. Em junho, e-mails ameaçadores foram enviados a empresários da praia de Ponta Negra exigindo dinheiro. Os recados era assinados por ‘‘Dimitri Mashkov’’, que assumiu nos próprios e-mails ser autor de atentados a tiros contra os estabelecimentos da orla da Avenida Erivan França.

Um clima de pânico se instalou na praia mais famosa da cidade. Sem muita pista, a Secretaria Estadual de Segurança Pública e Defesa Social (Sesed) encampou um trabalho de inteligência para localizar o autor das ameaças. Através dos e-mails, começou a reastrear o computador utilizado por ‘‘Mashkov’’. Depois de cerca de duas semanas, tudo foi descoberto.

Os e-mails eram enviados de um computador de uma lan house na Zona Norte. Dimitri Mashkov era a identidade falsa usada pelo jovem Egon Arnd de Oliveira Buschel, 21 anos, morador de Ponta Negra, cuja família era proprietária de um hotel na orla. Ele foi morto após assaltar uma casa lotérica e trocar tiros com a polícia. Esse foi um dos crimes que a polícia chegou ao bandido utilizando ferramentas da internet.

Segundo o coordenador de Planjemanento da Sesed, Erland Mota, outros casos tiveram a internet como meio para o trabalho de investigação. ‘‘Mas nós preferimos não abrir quais foram esses casos. O crime organizado está utilizando muito a internet hoje em dia’’, disse. E acrescentou, sobre o caso Mashkov: ‘‘O que normalmente duraria 90 dias, nós resolvemos em 16’’.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 393 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal