Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

12/04/2008 - Portal Terra / New York Times Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Aluno falsifica dados para entrar em universidades

Por: Karen W. Arenson


Para os encarregados da admissão de estudantes da Universidade Yale, Akash Maharaj era um candidato convincente. Ele havia estudado na Universidade Colúmbia, onde suas notas eram das mais altas, e agora desejava uma transferência. Por isso, Yale não só o admitiu como também lhe ofereceu uma bolsa de US$ 32 mil. Mas posteriormente a universidade descobriu que boa parte das informações que constavam de sua inscrição eram falsas. Agora, ele está enfrentando acusações de apropriação indébita e falsificação. Além da bolsa de Yale, ele havia conseguido US$ 15 mil em bolsas e crédito educativo do governo federal norte-americano.

De acordo com um depoimento prestado por representantes de Yale, embora ele tenha sido aluno da Colúmbia, as notas altas não procediam, e o mesmo se aplicava a uma recomendação da universidade que ele apresentou e até mesmo a uma ficha escolar oficial. E antes da Colúmbia, ele havia estudado também na Universidade de Nova York.

A história de Maharaj, expulso de Yale no ano passado, quando os dirigentes descobriram suas trapaças, foi divulgada na última terça-feira pelo Yale Daily News, o jornal da instituição. Mas estão emergindo novas informações. Ao que aparece, Maharaj havia se transferido à Universidade de Nova York vindo de ainda outra escola, a St. John's, onde, segundo um porta-voz, ele estudou do final de 2002 ao segundo trimestre de 2003.

A aparente trapaça de Maharaj foi revelada no final de uma temporada de admissões universitárias vista como a mais competitiva de todos os tempos. Yale, por exemplo, só admitiu 8% dos 23 mil inscritos. Especialistas em educação afirmam que o caso coloca em destaque o dilúvio de falsificações e outras fraudes relacionadas a credenciais acadêmicas, à medida que prossegue a busca frenética por vagas nas instituições educacionais de elite.

"Isso está nos atingindo como um maremoto", disse Barmak Nassirian, diretor executivo associado da Associação Norte-Americana de Funcionários de Admissão e Registro Universitário, em Washington, referindo-se à "fraude de credenciais absolutamente engenhosa". Ele acrescentou que "o ensino superior dos Estados Unidos não estava preparado para o triplo problema da globalização, Internet e conversão da educação superior em um negócio de primeira dimensão".

Um porta-voz de Yale se recusou a comentar o caso de Maharaj, dizendo que o problema estava aos cuidados da Justiça. Jeffrey Brenzel, o diretor de admissões para os cursos de graduação da universidade, divulgou comunicado no qual alegava que casos de suspeita de fraude no processo seletivo eram raros.

Uma audiência estava marcada para a segunda-feira no Tribunal Superior do Connecticut, em New Haven. O advogado de Maharaj, Glenn Conway, o descreveu como "um jovem inteligente, com boa formação acadêmica", e disse que solicitaria ao tribunal que o colocasse em um programa de reabilitação, que pode envolver educação, serviços comunitários, restituição do dinheiro recebido indevidamente ou outros corretivos, em lugar de levá-lo a julgamento. "Não estamos admitindo culpa ou qualquer delito", disse Conway. Segundo o advogado, Maharaj prefere não comentar.

As questões sobre a admissão de Maharaj a Yale só surgiram depois de ele concluir o ano letivo de 2006/7 na instituição. Uma professora que trabalhou em estreito contato com ele, Sara Sulerj Goodywar, disse que Maharaj era "um dos estudantes mais brilhantes" que ela teve em seus quase 30 anos como professora em Yale. "Ele era articulado, muito atento e tão inteligente que considerei a hipótese de lhe oferecer um posto como assistente de ensino, em um curso de férias", disse.

De acordo com as informações que Yale prestou à Justiça, a polícia da universidade recebeu um telefonema em junho de 2007 dizendo que um aluno chamado Victor Cazares estava sendo ameaçado. Cazares informou à polícia que havia tentado terminar seu namoro com Maharaj, e que este havia ameaçado cometer suicídio. Ele acrescentou que Maharaj já havia sofrido de outros problemas mentais, e que posteriormente havia ameaçado matá-lo.

Também disse a funcionários de Yale que ele havia descoberto que Maharaj tinha 26 anos de idade e não 21, como havia afirmado, e que parecia ter feito outras falsas declarações a seu próprio respeito. Cazares preferiu não fazer comentários, na quarta-feira.

Alertados quanto a esses problemas, funcionários de Yale decidiram estudar os registros de Maharaj e constataram que ele havia declarado erroneamente sua idade na ficha de inscrição, e que não havia sido aluno da Colúmbia ao longo de todo o período que alegou. Também descobriram que sua ficha escolar oficial diferia da que ele havia apresentado junto com sua inscrição, por não mencionar o ano em que ele estudou na Universidade de Nova York.

As informações de Yale acrescentam que Maharaj alegou que a Colúmbia o havia confundido com outro estudante. Ele enviou uma nova ficha escolar a Yale - em papel que parecia ser oficial da universidade, com borda azul, o escudo da Colúmbia em posição central e os selos legais de autenticação no canto inferior direito. Mas Yale terminou por constatar que a ficha era falsificada.

A posse de um documento escolar falsificado por Maharaj, escrito em papel verdadeiro da Universidade Colúmbia, é motivo de grave suspeita e causou séria preocupação, segundo Yale. A Colúmbia afirma ter "revisado a questão cuidadosamente", sem acrescentar outros detalhes.

John Beckman, da Universidade de Nova York, disse que os documentos de Maharaj na instituição também estão sob exame. Conway, o advogado de Maharaj, disse que não estava ciente de qualquer investigação federal sobre o crédito educativo e bolsas recebidos por ele. "Isso não significa que essas investigações não existam", declarou.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 304 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal