Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

10/04/2008 - Agência Câmara Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Comissão amplia rigor contra crimes do colarinho branco

Por: Luiz Claudio Pinheiro


A Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado aprovou na quarta-feira (9) substitutivo ao Projeto de Lei 124/03, do deputado Antonio Carlos Biscaia (PT-RJ), que possibilita a prisão temporária de suspeitos de crimes do colarinho branco, tipificados pela Lei 8.666/93, que disciplina as licitações e contratos da administração pública; e pela Lei 9.613/98, que define os crimes de lavagem de dinheiro. A proposta altera a Lei 7.960/89.

De acordo com a legislação, cabe prisão temporária quando imprescindível para as investigações do inquérito policial; quando o indiciado não tiver residência fixa ou não fornecer elementos necessários ao esclarecimento de sua identidade; e quando houver fundadas razões, de acordo com qualquer prova admitida na legislação penal, de autoria ou participação do indiciado em determinados crimes, lista que é ampliada pelo projeto.

O texto elaborado pelo relator, deputado Laerte Bessa (PMDB-DF), inclui ainda entre as hipóteses de prisão temporária os crimes de tortura, de concussão (extorsão ou peculato cometido por empregado público no exercício de suas funções), de coação (uso de violência ou grave ameaça contra autoridade ou parte envolvida em um processo) e contra a ordem tributária.

Essas propostas fazem parte de dois projetos apensados: o PL 4515/04, do deputado Bernardo Ariston (PMDB-RJ); e o PL 1605/07, do deputado João Campos (PSDB-GO).

O substitutivo também acolhe a parte do projeto de Bernardo Ariston que amplia de cinco para dez dias o prazo da prisão temporária, decretada pelo juiz, face a representação da autoridade policial ou a requerimento do Ministério Público. Esse prazo será prorrogável por igual período em caso de extrema e comprovada necessidade.

Recursos para fugir

Antonio Carlos Biscaia argumenta que a aplicação da prisão temporária aos crimes de lavagem de dinheiro e de fraudes em licitações públicas justifica-se pelos mesmos motivos que fundamentam sua aplicação aos crimes contra o sistema financeiro. Em todos esses casos, diz Biscaia, os criminosos costumam ter recursos financeiros que lhes possibilitam embaraçar as investigações, dificultar a apuração dos fatos e sair do País.

Segundo o relator Laerte Bessa, todas as propostas contribuem para aperfeiçoar a disciplina legal da prisão temporária. "As hipóteses que estão sendo incluídas referem-se a ilícitos que, nos últimos anos, recorrentemente vêm sendo praticados, e cuja apuração implica a necessidade de cerceamento temporário da liberdade dos autores, pelos riscos por eles oferecidos durante a fase de produção de provas", diz Bessa. "É inegável que os autores de tais ilícitos têm poder econômico e, em muitos casos, poder político e recursos financeiros para embaraçar as investigações", afirma, acrescentando que esse mesmo argumento aplica-se também ao projeto do deputado João Campos.

Em seu parecer, Bessa não acolheu os dispositivos do PL 1304/07, do deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), que restringem a prisão temporária aos casos de crimes considerados inafiançáveis pela Constituição (hediondos, de tortura, tráfico de drogas ou terrorismo) e aos já listados pela Lei 7.960/89, como homicídio doloso, seqüestro, roubo, rapto violento, tráfico de drogas, envenenamento de água potável ou substância alimentícia ou medicinal, contra o sistema financeiro e cometidos por quadrilha ou bando.

"No momento social em que vive o nosso País, essa proposta de redução de hipóteses de prisão temporária, com todo o respeito, não nos parece adequada, pois poderá acirrar a sensação de impunidade", diz o relator.

Tramitação

O projeto será analisado pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) antes de seguir para o Plenário.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 211 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal