Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

06/04/2008 - Jornal da Cidade de Bauru Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Fraude eletrônica deu origem ao cracker

Por: Adilson Camargo


Os hackers surgiram no ambiente universitário. A cultura hacker tem origens no Instituto de Tecnologia de Massachussets (MIT) e em outros laboratórios americanos.

Antigamente, existia apenas a figura do hacker, que era aquela pessoa que tinha conhecimento avançado na área de informática e conhecia a intimidade do sistema. Com isso, conseguia invadir, fraudar, lesar pessoas ou empresas.

Com o crescimento das fraudes eletrônicas, houve um divisão. Criou-se a figura do cracker para designar o fraudador e a denominação hacker ou ‘security officer’ passou a indicar o profissional que trabalha para o bem, que está hoje nas empresas, nos bancos, no governo.

Segundo lembra o advogado José Antonio Milagre, especialista em direito eletrônico, estabeleceu-se uma guerra sem fim entre hackers e crackers. “Os hackers têm de estar sempre atualizados com as técnicas crackers para criar rapidamente métodos de neutralizar a ação desses invasores.” O hacker também atua para encontrar indícios que levem a Justiça até o autor dos crimes virtuais.

A função deles é proteger o máximo possível as empresas, mas se isso não ocorre, quando o sistema foi invadido, é deles a responsabilidade de levantar o maior número possível de informações para que o setor jurídico da empresa possa localizar o criminoso e buscar punição.

Um bom hacker implementa o “intrusion detection system” (IDS) na empresa, que é um mecanismo para a identificação de intrusos. Ele detecta quando o intruso entrou ou está tentando entrar no sistema.

Os hackers saíram da esfera criminal e passaram a usar seu conhecimento na área corporativa. As empresas perceberam que esses profissionais são os mais qualificados para oferecer-lhes segurança online. “As empresas não publicam nos jornais que precisam de um hacker. Existem redes sociais na Internet que agregam esses profissionais. Existem blogs e conferências anuais sobre isso. São locais em que você entra em contato direto com os hackers. A contratação ocorre dessa forma”, explica Milagre.

Normalmente, as empresas contratam esses profissionais para tentar invadir e fraudar o sistema delas. Durante período de aproximadamente um mês, o hacker faz de tudo para conseguir encontrar uma falha. No fim de um período, ele apresenta o relatório para a empresa apontando as falhas. Se elas realmente existem, a empresa contrata o hacker para solucionar o problema.

Milagre lembra que antigamente os hackers eram vistos como sujeitos quietos, tímidos, pertencentes às classes A e B. Hoje, eles não são tão tímidos assim. Ao contrário, têm facilidade de comunicação e estão presentes também nas classes C e D. “O hacker, hoje, é um profissional muito valioso para o mercado”, afirma.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 414 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal