Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

20/03/2008 - Bem Paraná Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Polícia prende em Curitiba acusada de estelionato em Santa Catarina


Uma mulher acusada de estelionato contra empresa de telefonia móvel foi presa nesta quarta-feira (19) no Batel, em Curitiba, pela Delegacia de Furtos e Roubos da Polícia Civil. Soraya Simone Marques, 36 anos, foi detida na casa do sogro. Ela é suspeita de integrar quadrilha que aplicava golpes em Balneário Camboriú (SC). Lá, a polícia catarinense prendeu Marcelo Maciel Marques, Claudemir Fontana Borba e Allan Vinicius Lopes, os demais integrantes do grupo. O golpe causou prejuízo de R$ 1 milhão à empresa.

Soraya possui na ficha policial acusações de estelionato, formação de quadrilha e falsidade ideológica. Ela foi indiciada por estelionato e encaminhada para Balneário Camboriú, onde ficará detida. De acordo com o delegado-chefe de Furtos e Roubos, Rubens Recalcatti, Soraya foi presa a pedido da polícia catarinense.

“Ela é esposa de Marques. Os policiais de Balneário Camboriú nos enviaram o mandado de prisão expedido pela Justiça Federal de Florianópolis”, explicou. Segundo Recalcatti, os policiais de Balneário Camboriú encontraram com Marques um cheque que roubado numa casa em Santa Felicidade, em Curitiba. “Vamos investigar agora se ele tem envolvimento em mais roubos”, disse o delegado.

A quadrilha é acusada de lesar uma empresa de telefonia desde 2001. Quatro empresas foram abertas no nome de Soraya. Marques se apresentava como sócio das empresas para comprar telefones celulares e chips. “Eles realizavam depósitos falsos, a empresa liberava os produtos que, depois, eram revendidos pela quadrilha”, explicou o delegado.

Para fraudar os depósitos, a empresa utilizava caixas eletrônicos. “Eles comunicavam o depósito ao sistema do banco, mas os envelopes estavam vazios. Quando o banco percebia que não havia dinheiro para sustentar o depósito informado ao sistema, os produtos já haviam sido liberados pela telefônica”, disse Recalcatti.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 404 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal