Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

17/03/2008 - EPTV.com Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Golpista finge estar morto por 13 anos


José Montes Limarino foi preso por homicídio. A prisão colocou fim a uma farsa que durou 13 anos: ele trabalhava no setor de cobranças de uma empresa e vivia tranquilamente com a família em Campinas. Em 1995, quando tinha 34 anos, ele morava em Taboão da Serra, na Grande São Paulo. No dia 25 de fevereiro daquele ano, a polícia encontrou o carro dele queimado. Dentro, havia um corpo e a identidade de José Limarino.
“Tudo levava a crer que se tratava do próprio dono do automóvel”, disse o promotor de Justiça Romeu Galiano Júnior.

Mas um detalhe chamou a atenção do Ministério Público. “O encontro de um RG, com a foto bem legível, em um carro totalmente queimado levava a policia a crer que alguém tinha interesse na identificação daquele corpo”, afirmou o promotor de Justiça Romeu Galiano Júnior.

No dia do crime, Maria do Carmo Evangelista procurou a polícia para registrar o desaparecimento de outra pessoa: o marido Ismael Evangelista, um mecânico praticamente da mesma idade, altura e peso de José Limarino. Dona Maria não se esquece da última vez que viu o marido.

“Ele falou: ‘Neguinha’ – ele me chamava de Neguinha – ‘Neguinha, eu vou trabalhar. À noite eu trago dinheiro para nós comprarmos as coisas’”, conta Maria do Carmo Evangelista, mulher de Ismael.

Investigações

Como Ismael não voltou pra casa, a polícia ficou com um quebra-cabeça nas mãos: duas pessoas desaparecidas e um único corpo no local do crime. Mas uma descoberta foi fundamental para a investigação: José Limarino tinha dois seguros: um de vida e outro do carro. Um mês antes, todas as parcelas foram quitadas. Na época, o valor do seguro chegava a R$ 20 mil. Hoje daria 65 mil.

Tudo indicava que José Limarino tinha assassinado uma pessoa com as mesmas características físicas para simular a própria morte, mas eram só indícios. Certeza mesmo o Ministério Publico não tinha.

“Os órgãos oficiais de perícia nos informavam que não havia tecnologia pro exame de DNA que se necessitava nesse caso, em razão da idade da ossada e das condições de conservação”, conta o promotor de Justiça Romeu Galiano Júnior.

Durante 13 anos, a família do mecânico Ismael teve que conviver com a dúvida.

“A gente pensa: Será? Se viajou e não volta. Mas na mesma hora eu pensava: ele não ia fazer isso”, disse Maria do Carmo Evangelista, mulher de Ismael.

“Meu sonho era de ver ele chegando, enfim, ‘Cheguei, o pai chegou’, sabe, de receber aquele abraço, aquele carinho”, conta Mariana Evangelista, filha de Ismael.

Sem conseguir identificar a vítima, o Ministério Público resolveu preservar os ossos e esperar pelo avanço da tecnologia. Só recentemente, um laboratório de genética, em Paulínia, interior de São Paulo, deu a resposta definitiva: o corpo é mesmo do mecânico Ismael. Limarino foi preso por homicídio.

“Conclui-se sem a menor sombra de dúvidas que o cadáver encontrado queimado dentro daquele veículo era de uma pessoa inocente”, afirmou o promotor de Justiça Romeu Galiano Júnior.

“É gratificante você fazer o trabalho dentro do laboratório, onde é tudo impessoal, e depois no fim você vê o resultado disso, positivo, na vida aplicada para a população”, comentou o geneticista Welber Oliveira Bragança.

Crime

Depois do assassinato, José Limarino se escondeu em Mato Grosso. Nos últimos anos, viveu no interior de São Paulo, sempre mudando de endereço e mantendo contato com a mulher e a filha.

Para o delegado de Campinas, ele confessou que planejou o crime porque passava por problemas financeiros. Mas o dinheiro do seguro nunca foi pago. O banco esperava o fim da investigação.

“Pensei em matar. E fui junto para matar. Já tinha gasolina dentro do carro também. Tudo premeditado. Pretendia fazer alguma coisa com o seguro”, reconhece José Limarino.

Ele alega que teve a ajuda de um comparsa. Mas, para o Ministério Público, o acusado agiu sozinho. José Limarino acreditava que o caso já tinha caído no esquecimento. Tanto que usava o nome verdadeiro. Chegou a renovar a carteira de motorista e até tirou uma nova carteira de identidade. Agora que tudo foi esclarecido, ele pode pegar até 30 anos de prisão.

“Aquele velho ditado: aqui se faz aqui se paga”, comenta José Limarino.

E finalmente, depois de 13 anos de espera, a família de Dona Maria vai receber autorização para fazer o velório e o sepultamento do mecânico Ismael Evangelista.

“Agora vou fazer o enterro direitinho, colocar lá ele pra ele descansar em paz, porque por todo esse tempo ele não descansou, nem nós também”, diz Maria do Carmo Evangelista, mulher de Ismael.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 435 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal