Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

06/03/2008 - O Globo Online Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

MP pede que ONG de GO devolva R$ 4,2 milhões aos cofres públicos


BRASÍLIA - O Ministério Público Federal em Goiás (MPF/GO) entrou nesta quinta com ação civil pública para pedir o retorno aos cofres públicos dos R$ 4,2 milhões repassados pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) para a ONG Instituto Nacional de Formação e Assessoria Sindical da Agricultura Familiar Sebastião Rosa da Paz (Infas).

O procurador Raphael Perissé afirma que há uma série de irregularidades na execução do contrato por parte da ONG, como o descumprimento de cláusulas contratuais para dificultar a fiscalização do uso do dinheiro repassado pelo Incra.

- O Infas tem outras contas no Banco do Brasil e em outras instituições financeiras e houve um derramamento de dinheiro nessas contas o que impede até a fiscalização para averiguar se aquele recurso foi efetivamente empregado na finalidade que deveria - explicou o procurador.

Segundo Perissé, somente essa irregularidade já seria suficiente para embasar a ação que pede o encerramento do contrato, o congelamento dos bens da ONG e o retorno do dinheiro repassado para os cofres públicos.

No entanto, o procurador disse ter encontrado outras irregularidades, como pagamentos para entidades que não estavam previstas no contrato e a apreensão de notas fiscais em branco, que poderiam ser utilizadas para fraudes.

O procurador afirmou que as investigações para descobrir os responsáveis pelas irregularidades - que poderão responder por improbidade administrativa - devem continuar. Segundo ele, ainda não foi apurado se o objetivo do contrato - a capacitação de assentados da reforma agrária - foi cumprido.

O Incra divulgou uma nota afirmando que "grande parte dos problemas apontados na ação ajuizada podem ter decorrido de informações insuficientes que foram apresentadas, durante o processo administrativo de investigação instaurado pelo Ministério Público". No entanto, segundo a nota, todos os aspectos questionados já foram devidamente esclarecidos, na ação judicial.

No mês passado, o MPF em Goiás havia conseguido uma liminar que impediu o repasse da última parcela prevista no contrato, no valor de R$ 1,7 milhão, para o Infas. Essa mesma ação também assegurou a indisponibilidade dos ativos financeiros e a quebra do sigilo bancário do instituto.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 235 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal