Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2018 SOBRE FRAUDES E FALSIFICAÇÕES
Veja AQUI programação e promoções dos últimos treinamentos de 2018 da DEALL R&I
sobre Fraudes e Falsificações nos dias 14, 22 e 29 de novembro.


AFD SUMMIT
A maior Conferência de Investigação Corporativa & Perícia Forense da América Latina.
São Paulo dias 08-09 de dezembro de 2018


Acompanhe nosso Twitter

28/02/2008 - A Tarde Online Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Assembléia do Rio abre processo para investigar fraude


A Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) abriu processo ético-disciplinar para apurar o suposto envolvimento de cinco deputados nas contratações de fantasmas como assessores em seus gabinetes com objetivo de desviar o recebimento de salários e de auxílio-educação. Em alguns casos, também foram tomados empréstimos em nome de falsos servidores. Todos constam como nomeados pelos deputados Délio Leal (PMDB), Edino Fonseca (PR), Renata do Posto (PTB), João Peixoto (PSDC) e Álvaro Lins (PMDB).

A averiguação tramita na Comissão de Ética da Alerj, que ontem intimou os parlamentares a apresentar defesa em cinco dias. Em tese, eles poderão ser advertidos, ter direitos suspensos na Casa ou até perderem os mandatos. "Minha proposta é terminar a investigação em quinze dias", disse o relator do processo, deputado Edson Albertassi (PMDB).

Todos os parlamentares envolvidos foram procurados, mas somente Lins respondeu, por nota, na qual afirmou ter contratado uma mulher por indicação de um colaborador e tê-la demitido quando constatou o valor do auxílio-educação que ela receberia. Em manifestações anteriores, os parlamentares alegaram não ter envolvimento no caso e terem sido induzidos a erro.

O suposto esquema operava com aliciadores que procuravam mulheres pobres em suas casas, oferecendo-lhes suposta inscrição no Programa Bolsa-Família. Assim, conseguiam os documentos das pessoas, com as quais os fantasmas eram nomeados para cargos nos gabinetes. Nos nomes dos falsos funcionários, eram abertas contas bancárias para o recebimento dos salários, mas os cartões e as senhas ficavam em poder dos golpistas, que assim sacavam o dinheiro.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 285 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Divulgação





NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal