Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

24/02/2008 - Diário de Cuiabá Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Novas vítimas de empresário do setor


O empresário Paulo Fernando Oliveira foi indiciado pelo crime de estelionato em dois inquéritos instaurados na Delegacia do Complexo do Verdão. Num deles, consta uma empresa de turismo como vítima e no outro, três jovens da classe média alta que se sentiram lesados num pacote de turismo vendido no último Carnaval, saindo de Cuiabá para Porto Seguro (BA).

Na lista, está o filho de um desembargador, o filho de um médico-legista aposentado e um estagiário de um conhecido escritório de advocacia de Cuiabá. Os jovens tiveram que pagar despesas extras durante o Carnaval supostamente por conta da atuação delituosa do empresário.

Segundo o delegado Douglas Turíbio, titular da Delegacia do Verdão, na sexta-feira chegou mais uma queixa com outras quatro vítimas, sendo uma delas o filho de um delegado de polícia. A partir de hoje, o delegado deverá analisar a documentação trazida pelas vítimas. “Cada inquérito desses, com exceção do primeiro, que se trata de uma empresa, existe mais de uma vítima”, explicou.

Segundo um dos rapazes que se sentiu lesado pelo empresário, o pai dele teve que lhe enviar mais R$ 1.500 para retornar de Porto Seguro, pois o bilhete de volta foi comprado com cartão fidelidade. O jovem perdeu o vôo e só poderia remarcá-lo uma semana depois.

Conforme familiares dos três jovens, o empresário ficou de fazer um acordo para reembolsá-los, mas até agora está somente na promessa. Caso as vítimas sejam ressarcidas, incluindo a empresa de turismo, o empresário deixará, na prática, de responder pelo crime de estelionato. “O pagamento do prejuízo é o primeiro passo para acabar com o inquérito ou inocentá-lo em juízo”, explicou um policial.

O prejuízo da empresa de turismo pode ser superior a R$ 30 mil. O golpe envolvia a venda de pacotes para outros estados através da empresa de Paulo. (AR)

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 269 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal