Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

04/06/2006 - Folha de São Paulo Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

64 doleiros remetem para o exterior US$ 20 bi em 8 anos

Por: Mário Cesar Carvalho


Um grupo de 64 doleiros remeteu ilegalmente US$ 19,53 bilhões só para bancos dos Estados Unidos num período de oito anos (de 1996 a 2003), segundo dados do Ministério Público Federal do Paraná, aos quais a Folha teve acesso.

A cifra, equivalente a R$ 44,62 bilhões em valores atuais, é só a pontinha do iceberg da maior investigação já realizada sobre o mercado paralelo de dólar, conduzida pela Força-Tarefa CC5, um grupo que inclui procuradores e delegados da Polícia Federal.

Os R$ 44 bilhões correspondem, literalmente, a uma montanha de dinheiro. Para alcançar esse valor, seria necessário somar o faturamento anual de três das maiores empresas brasileiras: Petróleo Ipiranga, Volkswagen e General Motors.

O mercado de dólar é alimentado por dinheiro sem origem, como caixa dois das empresas, tráfico de drogas e corrupção. Estimativa feita pelo IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário), a pedido da Folha, aponta que os principais clientes de doleiros atualmente são as empresas.

O mercado paralelo de dólar gira anualmente US$ 63 bilhões no Brasil, segundo estimativa de Gilberto Luiz do Amaral, do IBPT --a avaliação é difícil porque tenta medir a parte subterrânea da economia. Desses US$ 63 bilhões, US$ 49 bilhões são movimentados por empresas, principalmente as envolvidas em comércio exterior, segundo ele.

Amaral diz ter feito essa conta a partir da estimativa feita pelo IBPT de que o caixa dois --o faturamento não declarado das empresas- é de R$ 1 trilhão. Cerca de 10% dessa cifra (os US$ 49 bilhões) iria para o mercado paralelo de dólar.

O tráfico de drogas e a corrupção responderiam pelos US$ 14 bilhões anuais restantes, na estimativa do IBPT.

Criada em maio de 2003, a Força-Tarefa CC5 tinha como objetivo investigar as remessas feitas por meio de CC5 (contas autorizadas pelo Banco Central a enviar recursos para o exterior). Diversamente da CPI do Banestado, que acabou em 2005 sem nenhum resultado prático, a força-tarefa acumula sucessos. O maior deles talvez tenha sido a decisão da promotoria de Nova York de colaborar com as investigações brasileiras sobre dinheiro sujo.

Os cerca de US$ 20 bilhões remetidos para os EUA foram calculados a partir da documentação enviada pelos americanos. É vasta o suficiente para ocupar um contêiner.

A cooperação americana não é desinteressada. Depois dos ataques do 11 de Setembro, dinheiro sujo tornou-se uma das obsessões dos EUA. O dinheiro do terror transita nos mesmos canais usados pelas empresas e traficantes.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 459 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal